close
Alimentação

Alimentos Afrodisíacos: Conheça os Principais

Dr. Juliano Pimentel

baixa libido e a impotência sexual, podem ser influenciadas pelo tipo de alimento que você consome, e por problemas de saúde. Mas mesmo que você já tenha buscado a raiz da sua disfunção e o tratamento médico adequado; ainda pode recorrer a outros métodos, como os alimentos afrodisíacos.

Acredite ou não, alguns desses alimentos afrodisíacos, podem aumentar a libido e ajudar a superar a impotência e muito mais.

Veja agora alguns alimentos afrodisíacos que ajudam a melhorar a saúde sexual.

Não deixe de ler e compartilhar.

Alimentos Afrodisíacos

Alimentos Afrodisíacos: Açafrão. Imagem: (Divulgação)

Aqui estão os alimentos comprovados cientificamente, que podem ajudar a impulsionar a atividade sexual. Confira:

  1. Ginseng

Ambas variedades asiáticas e americanas da erva, ajudam a aumentar a libido e o desempenho sexual (2).

Ela melhora a excitação sexual e pode ajudar a tratar a disfunção erétil. O ginseng provavelmente afeta o sistema nervoso central, alterando hormônios no processo.

  1. Açafrão

O açafrão é um ótimo alimento afrodisíaco. Ele pode ajudar a melhorar a disfunção sexual em homens e mulheres, e ainda auxiliar a saúde de pessoas que sofrem com a depressão (3).

Essa especiaria pode afetar positivamente os homens que sofrem com a disfunção erétil, de modo que ambos os sexos podem colher os benefícios deste poderoso tempero (4).

  1. Maca

A raiz da Maca pode beneficiar a fertilidade, e atuar como estimulante sexual. Com um sabor semelhante à canela ou noz-moscada, a maca é ótima como tempero.

Um estudo realizado na Coréia do Sul, descobriu que a disfunção sexual diminuiu em homens que consumiam a maca; e melhorou o desejo sexual em homens e mulheres. (5).

Ela também melhorou significativamente a disfunção erétil em homens.

Nas mulheres, ela ajuda no equilíbrio hormonal durante a TPM e na menopausa, que pode incluir a falta de libido. 

Essa raiz também pode auxiliar no equilíbrio do humor, reduzir os níveis de ansiedade e depressão (6). 

  1. Chocolate

O chocolate amargo ajuda a equilibrar os níveis hormonais. 

A fenetilamina, o estimulante lançado no cérebro quando o indivíduo se apaixona (também conhecido como a “droga do amor”), e o triptofano, que ajuda a produzir serotonina; são substâncias importantes para estimular o desejo sexual, e ambos são encontrado no chocolate amargo (7).

O chocolate amargo precisa conter ao menos 70% de cacau, e ser minimamente processado.

Ele possui uma série de benefícios para a saúde e antioxidantes que não estão presentes no chocolate ao leite ou no chocolate branco. 

Outros alimentos afrodisíacos são (8):

Canela;

– Gingko biloba;

– Abacate;

– Amendoim;

Amêndoas ;

– Morangos;

– Alho;

– Manjericão;

– Noz-Moscada;

Alecrim;

– Pimenta Vermelha;

– Gengibre;

Aspargos.

Outra dica importante para esse mês dos namorados, é evitar o álcool. O álcool pode ajudá-lo a se sentir mais à vontade e remover inibições, o que pode tornar mais fácil sentir-se sexualmente excitado.

Infelizmente, muitas vezes é onde a diversão termina; o excesso de álcool pode prejudicar a resposta do corpo aos impulsos sexuais. 

E lembre-se de manter uma alimentação livre de produtos açucarados e industrializados; o corpo reflete a saúde interna, então se você consome alimentos prejudiciais, pode afetar a sua vida sexual também.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

BAIXE AGORA O MEU GUIA COM OS
10 MELHORES CHÁS PARA EMAGRECER!

[/vc_column_text]

[/vc_column][/vc_row]

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:

Você pode Gostar

Tags : açafrãoalecrimalimentaçãoalimentos afrodisíacosamêndoasaspargosbaixa libidocanelachocolate amargodepressãodestaquedisfunção erétildr. juliano pimentelestimulante sexualginsengImpotência sexualmenopausasaúdesaúde sexualserotonina

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta