close
Alimentação

Aspartame faz Mal? Mito ou Verdade?

Dr Juliano Pimentel

O Aspartame é um adoçante artificial, usado em uma grande variedade de produtos dietéticos, de refrigerantes a iogurtes, mascando chicletes a sobremesas congeladas.

O aspartame é encontrado especialmente em produtos rotulados como diet.

O aspartame é 200 vezes mais doce que o açúcar. Como pequenas quantidades são necessárias para um sabor doce, adiciona apenas um traço de conteúdo calorífico a um produto, por isso é ideal para a indústria da dieta.

Não deixe de ler e compartilhar.

O que é aspartame?

Os ingredientes do aspartame são ácido aspártico e fenilalanina, ambos naturais.

O ácido aspártico é produzido pelo seu corpo, e a fenilalanina é um aminoácido essencial que você obtém dos alimentos.

Quando seu corpo processa o aspartame, parte dele é decomposta em metanol.

O consumo de frutas, sucos de frutas, bebidas fermentadas e alguns vegetais também contêm ou resultam na produção de metanol.

A partir de 2014, o aspartame foi a maior fonte de metanol na dieta americana, por exemplo (2).

O metanol é tóxico em grandes quantidades, mas quantidades menores também podem ser preocupantes quando combinadas com o metanol livre devido à maior absorção.

O metanol livre está presente em alguns alimentos e também é criado quando o aspartame é aquecido.

O metanol livre consumido regularmente pode ser um problema porque se decompõe em formaldeído, um conhecido carcinogênico e neurotoxina, no organismo.

No entanto, a Agência de Padrões Alimentares no Reino Unido afirma que, mesmo em crianças que são grandes consumidores de aspartame, o nível máximo de ingestão de metanol não é atingido.

Eles também afirmam que, uma vez que o consumo de frutas e verduras é benéfico para a saúde, a ingestão de metanol dessas fontes não é uma alta prioridade para a pesquisa.

Produtos com aspartame

Sempre que um produto é rotulado como “sem açúcar”, isso geralmente significa que ele tem um adoçante artificial no lugar do açúcar.

Embora nem todos os produtos sem açúcar contenham aspartame, ainda é um dos adoçantes mais populares. Está amplamente disponível em vários produtos embalados.

Alguns exemplos de produtos contendo aspartame incluem:

  • refrigerante diet
  • sorvete sem açúcar
  • suco de frutas de baixa caloria
  • chiclete
  • iogurte
  • doces sem açúcar

Usar outros adoçantes pode ajudá-lo a limitar sua ingestão de aspartame.

No entanto, se você quiser evitar completamente o aspartame, também precisará procurar por produtos embalados. O aspartame é mais frequentemente rotulado como contendo fenilalanina.

Efeitos colaterais do aspartame

O aspartame é muito comum em produtos diet

Segundo a Sociedade Americana de Câncer, o aspartame é aproximadamente 200 vezes mais doce que o açúcar.

Portanto, apenas uma quantidade muito pequena é necessária para dar aos alimentos e bebidas um sabor doce (3).

As recomendações de ingestão diária aceitável (ADI) da FDA, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos e da EFSA, Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar são:

FDA: 50 miligramas por quilograma de peso corporal

EFSA: 40 miligramas por quilograma de peso corporal

Uma lata de refrigerante diet contém cerca de 185 miligramas de aspartame.

Uma pessoa de 68 kg teria que beber mais de 18 latas de refrigerante por dia para exceder a ingestão diária da FDA.

Alternativamente, precisam de quase 15 latas para exceder a recomendação da EFSA.

No entanto, pessoas que têm uma condição chamada fenilcetonúria (PKU) não devem usar o aspartame. As pessoas que tomam medicamentos para a esquizofrenia também devem evitar o aspartame (4,5).

Contra indicação

Fenilcetonúria

Pessoas com PKU têm muita fenilalanina no sangue. A fenilalanina é um aminoácido essencial encontrado em fontes de proteína, como carne, peixe, ovos e laticínios. É também um dos dois ingredientes do aspartame.

Pessoas com esta condição não são capazes de processar adequadamente a fenilalanina. Se você tem essa condição, o aspartame é altamente tóxico.

Discinesia tardia

A discinesia tardia (DT) é considerada um efeito colateral de alguns medicamentos para esquizofrenia (6).

A fenilalanina no aspartame pode precipitar os movimentos musculares descontrolados da DT.

Algumas pessoas afirmam que há uma ligação entre o aspartame e uma infinidade de doenças, incluindo:

  • câncer
  • convulsões (7)
  • dores de cabeça
  • depressão (8)
  • transtorno de déficit de atenção e hiperatividade – TDAH (9)
  • tontura
  • ganho de peso
  • defeitos de nascença
  • lúpus (10)
  • doença de Alzheimer (11)
  • esclerose múltipla – EM (12)

Existem pesquisas está em andamento para confirmar ou invalidar conexões entre essas doenças e aspartame, mas atualmente ainda há resultados inconsistentes nos estudos.

Algumas pesquisas relatam aumento do risco, sintomas ou aceleração da doença, enquanto outros não relatam desfechos negativos com a ingestão de aspartame (13).

Além disso, o aspartame está associado também a lúpus, tumores cerebrais, cegueira, convulsões, problemas de saúde mental e defeitos congênitos, provavelmente porque seus componentes podem, em doses suficientemente altas, ser prejudiciais.

O problema não é só aspartame

Muitas pessoas quando optam por alimentos diet, por exemplo, fazem esta escolha acreditando ser a melhor. No entanto, sabemos que assim como o consumo de açúcar os adoçantes também não fazem bem à saúde.

Algumas vezes os adoçantes artificiais foram ligados a problemas metabólicos (14,15).

Um estudo afirma que o consumo regular de refrigerantes adoçados artificialmente está associado a distúrbios da síndrome metabólica, incluindo obesidade abdominal, resistência à insulina ou intolerância à glicose, dislipidemia e pressão alta.

Além disso, afirma que o aspartame aumenta o risco relativo de diabetes tipo 2 e a síndrome metabólica em 67% e 36%, respectivamente.

No entanto, não é apenas o aspartame que está ligado a problemas de saúde, mas também outros tipos de adoçantes. Pois afetam a resposta à insulina do seu corpo (16, 17)

O fato é que os adoçantes artificiais provocam a mesma resposta à insulina devido ao seu sabor doce.

Como o aspartame e outros adoçantes artificiais são mais doces que o açúcar, isso é percebido pelo nosso corpo como algo que precisa de insulina.

No entanto, é importante perceber que, ter os níveis de insulina subindo sem qualquer açúcar, é ainda pior do que com o açúcar real, porque altos níveis de insulina levam a um baixo nível de açúcar no sangue. Isso cria um enorme apetite e desejo por doces.

Ainda que o aspartame continue liberado e sendo usado em alguns tipos de alimento, o que pode ser feito é evitar o consumo destes alimentos e fazer escolhas mais saudáveis.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : açúcaradoçanteadoçante artificialalimentaçãoAspartamedestaquedietdr. juliano pimentellightsaúdevsg

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta