close
AlimentaçãoFitness

Os Principais Mitos da Alimentação Low Carb

Existem muitos mitos da alimentação low carb que não são apoiados pela ciência; alguns deles afirmam que ela pode prejudicar a saúde.

Pesquisas mostram claramente que a alimentação Low Carb pode reverter muitas doenças comuns e graves. Isso inclui obesidade, diabetes tipo 2, síndrome metabólica e algumas outras.

Coletivamente, estes são os maiores problemas de saúde do mundo. 

Esta é uma consequência de um fenômeno chamado pensamento grupal, que é comum em círculos nutricionais e pode levar a uma visão distorcida da ciência.

Sendo assim, nesse artigo eu desmistificarei os mitos da alimentação Low Carb.   

Não deixe de ler e compartilhar!

Mitos da Alimentação Low Carb

Mitos da Alimentação Low Carb. Imagem: (Divulgação)

Confira a seguir os principais mitos espalhados sobre esse estilo de alimentação.

  1.  O cérebro precisa de glicose (carboidratos) para funcionar

Um dos mitos da alimentação low carb acredita que o cérebro não pode funcionar sem carboidratos , e que eles são o combustível preferido para o cérebro.

De acordo com esse mito, o cérebro precisa de cerca de 130 gramas de carboidratos diários.

Algumas células do cérebro não podem usar nenhum combustível, exceto a glicose (carboidratos). No entanto, outras partes do cérebro são perfeitamente capazes de usar cetonas como combustível.

Este é o lugar onde uma via metabólica chamada gluconeogênese torna-se importante.

Quando não comemos carboidratos, o corpo (principalmente fígado) pode produzir glicose de proteínas e subprodutos do metabolismo das gorduras. (1)

Mas com a cetose e da gluconeogênese, o corpo não sente a necessidade do consumo de carboidratos – pelo menos não com o objetivo de alimentar o cérebro.

E após a fase de adaptação inicial terminar, muitas pessoas relatam melhorias na função cerebral com a alimentação low carb. (2)

  1. Destroem o desempenho físico

A maioria dos atletas realizam uma dieta alta em carboidratos, e muitas pessoas acreditam que os carboidratos são essenciais para o desempenho físico.

É verdade que reduzir os carboidratos inicialmente reduz o desempenho. No entanto, isso geralmente é  temporário. Isso pode ocorrer (não como regra) devido à adaptação do corpo à queima da gordura ao invés de carboidratos. (3)

Estudos apontam que as dietas com baixo teor de carboidratos são benéficas para o desempenho físico, especialmente para os exercício de resistência como HIIT ou o Treino Tabata; enquanto as pessoas recebem algumas semanas para se adaptarem à dieta (4).

Ela ainda pode beneficiar o ganho de massa muscular e resistência (5).

  1. Low-Carb é uma dieta de moda

Isso não faz absolutamente nenhum sentido, pois o baixo teor de carboidratos mostrou ser efetivo em mais de 20 estudos científicos.

Ele é praticado à décadas, e não tem o perfil de uma dieta passageira.

  1. São difíceis de manter

Outro mito da alimentação low carb, é que elas são insustentáveis ​​por restringem os grupos de alimentos comuns.

Isso faz sentido, mas a verdade é que todas as dietas restringem algo. Alguns restringem grupos de alimentos ou macronutrientes, outros restringem calorias.

A questão é que ao consumir alimentos com baixo teor de carboidratos você reduz o apetite, e aumenta a saciedade; com isso você sente fome de forma equilibrada e sem exageros (6). Você inicia a reeducação alimentar, e isso é essencial para o peso e a saúde. 

  1. Ruim para a Saúde Cardíaca

As dietas baixas em carboidratos tendem a ser elevadas em colesterol e gorduras, incluindo gorduras saturadas. Por esta razão, muitas pessoas afirmam que ela aumenta o mau colesterol no sangue e o risco de doença cardíaca.

No entanto, novos estudos mostraram que nem o colesterol na dieta nem a gordura saturada, têm algum efeito significativo no risco de doença cardíaca (7).

Contrariamente ao que se costuma alegar, a dieta low carb previne os fatores de risco para a doença cardíaca (8):

  • Os triglicerídeos do sangue diminuem
  • O colesterol HDL (o colesterol bom) aumenta
  • A pressão sanguínea tende a diminuir
  • Queda na resistência à insulina
  • Reduz os níveis de açúcar no sangue e insulina
  • Reduz a inflamação (9).

Os níveis de colesterol LDL não aumentam (10).

  1. Reduzem a ingestão de alimentos saudáveis ​​

Uma dieta baixa em carboidratos não significa excluir totalmente os carboidratos.

Você pode comer uma grande quantidade de legumes, bagas, nozes e sementes sem exceder 50 gramas de carboidratos por dia.

Pode incluir alimentos vegetais e de outros alimentos saudáveis que sejam baixos em carboidratos. 

O que descobrimos aqui é que a dieta low carb pode ter benefícios para a saúde. Eles são muito eficazes para pessoas com obesidade, síndrome metabólica e diabetes tipo 2.

Procure o médico para avaliar a quantidade diária necessária de carboidratos, que o seu corpo precisa.

E para ajudar você que se preocupa com uma alimentação saudável e low carb, perder peso com saúde e prevenir doenças através da alimentação, eu convido a adquirir o e-book da minha esposa, Carol Pimentel.

O livro digital contém mais de 70 receitas deliciosas e low carb; desenvolvido para quem deseja ter uma alimentação extremamente saudável focada em eliminar o sobrepeso, evitar problemas de saúde e reverter os danos causados pela má alimentação passada.

Neste livro você vai aprender as melhores receitas de doces e salgados, sem medo de engordar.

Receitas simples e fáceis de preparar, e o melhor de tudo: Super acessíveis!

Clique na imagem abaixo e adquira agora o seu livro digital.

GOSTOSURAS LOW CARB

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : alimentação low carbcarboidratoscetosedesempenho físicoganho de massa musculargluconeogênesegordura saturadaHIITlivro digitallow carbmitos da alimentaçãomitos da alimentação low carbobesidadequeima da gorduraTreino Tabatatriglicerídeosvegetais

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta