close
Alimentação

Slow Food: O Que É Esse Conceito?

Você sabe o que é Slow Food? É um movimento criado na Itália em 1986, que tem como princípio básico o direito ao prazer da alimentação; utilizando produtos artesanais de qualidade especial, produzidos de forma que respeite tanto o meio ambiente quanto as pessoas responsáveis pela produção.

Em resumo, preza pela alimentação de verdade, em todos os sentidos.

Nesse artigo explicarei com detalhes os conceitos do movimento Slow Food, e a importância em aderir uma alimentação de verdade.

Não deixe de ler e compartilhar!

Slow Food

O movimento tem como filosofia a importância de relacionar o prato ao planeta; e além disso, acredita-se que melhorar a qualidade da nossa alimentação e arranjar tempo para a saborear; é uma forma simples de tornar o nosso cotidiano mais prazeroso.

O Slow Food conjuga o prazer e a alimentação com consciência e responsabilidade.

Ele tem por objetivo evitar o desaparecimento de culturas e tradições alimentares locais; contrariar o consumo rápido de alimentos e combater a diminuição do interesse das pessoas nos alimentos que eles comem, de onde ela vem e como nossas escolhas alimentares afetam o mundo à nossa volta.

Desde seu início, o movimento global, envolvendo milhões de pessoas em mais de 160 países.

A promoção do “Movimento Slow Food” destina-se a lutar contra o nosso apetite atual em relação ao fast food. É um equilíbrio da nutrição feita a partir de alimentos tradicionais, em busca de uma alimentação de verdade. (1)

Slow Food prevê um mundo em que todas as pessoas possam acessar e desfrutar de comida que seja boa para eles, e benéfica para o planeta.

A abordagem é baseada em um conceito de alimento que é definido por três princípios interconectados: bom, limpo e justo. (2)

BOM: alimentos de qualidade, saborosos e saudáveis. Uma dieta sazonal fresca e saborosa que satisfaça os sentidos e faz parte da cultura local.

LIMPO: produção e consumo de alimentos que não prejudicam o meio ambiente, o bem-estar animal ou nossa saúde.

JUSTO: preços acessíveis para consumidores, e condições justas e pagamento para pequenos produtores.

Tradição

Slow Food: Tempo para os Alimentos Crescerem. Imagem: (Divulgação)

Claramente, o mais importante e fundamental para preservar e incentivar o legado de nossas tradições alimentares, é simplesmente manter (ou tentar restaurar) a biodiversidade.

A biodiversidade está no meio da sustentabilidade ambiental, e também é muito importante para alimentos orgânicos e sustentáveis.

Ironicamente, embora tenhamos mais opções do que nunca em nossos supermercados, perdemos muita variedade que costumava estar crescendo naturalmente em nossos próprios quintais.

Existem inúmeras variedades de plantas e animais que foram esquecidas, ou agora estão extintos; e uma grande razão para o desaparecimento delas tem a ver com a tendência moderna, que inclui os fast foods, o desaparecimento de agricultura sustentável e pequenas fazendas familiares.

A biodiversidade vegetal e animal ajuda a sustentar sistemas ecológicos saudáveis que, se em equilíbrio, ajudariam naturalmente a controlar pragas indesejadas e ervas daninhas.

Mas de forma mais tangível, perdemos muita comida boa por causa dessa perda de biodiversidade, e perdemos um verdadeiro senso de lugar.

O movimento Slow Food tem sido particularmente influente em colocar alimentos quase esquecidos no mapa. Sendo assim, se você quiser seguir o movimento:

– Descubra quais os alimentos tradicionais costumavam estar onde quer que você viva.

– Cultive alimentos em seu jardim que são específicos para sua região.

– Comemore e compre alimentos locais que se desenvolvem em sintonia com o meio ambiente e protegem a biodiversidade local.

– Busque uma alimentação de verdade, sem fast food e rica em alimentos orgânicos.

Todas essas ações podem ajudar a contribuir para um sistema alimentar mais sustentável em nosso país, que honra nosso passado e lugares, e se afasta da agricultura industrial.

Nova gastronomia

Neo ou “nova” gastronomia é um conceito de gastronomia como uma abordagem multidisciplinar de alimentos que reconhece as fortes conexões entre placa, planeta, pessoas e cultura.

O termo foi cunhado para corresponder com a evolução do movimento Slow Food; que começou com o objetivo inicial de defender a boa comida, o prazer gastronômico e um ritmo de vida mais lento (eno-gastronomia).

Em seguida incluiu questões como a qualidade de vida e a saúde do planeta em que vivemos (eco-gastronomia). (3)

Outra face importante do movimento Slow Food é a educação do gosto. Se você entender todas as facetas da sua comida e de onde veio, presumivelmente é mais prazeroso e significativo quando você o consome.

A educação sobre o gosto ajuda as pessoas a se preocuparem mais com a origem da comida.

O Slow Food International realiza oficinas e eventos na educação do gosto, e estes eventos ocorrem em mercados de fazendeiros, vinícolas e pomares de maçã.

Nas escolas, a educação do gosto acontece na forma de jardins escolares, melhorias nos almoços escolares e nos currículos escolares. (4)

Cada membro do Slow Food em todo o mundo é parte de um convivium – um capítulo local – que traz a filosofia para a vida através dos eventos, e atividades que eles organizam em suas comunidades.

De simples refeições a degustações compartilhadas, visitas a produtores locais e fazendas, conferências e discussões, exibições de cinema/festivais e muito mais. (5)

Os defensores do Slow Food lutam contra a marca “elitista”, ao apontar que simplesmente precisamos reorientar nossos sentimentos sobre alimentos – colocar alimentos saudáveis;  buscar uma alimentação de verdade acima de casas de luxo ou roupas caras em nossa lista de necessidades físicas.

Em resumo, eles acreditam que os alimentos estão ligados a muitos outros aspectos da vida e do nosso cotidiano, incluindo cultura, política, agricultura e meio ambiente.

Segundo o movimento, é através de nossas escolhas alimentares que podemos influenciar de forma coletiva como os alimentos são cultivados, produzidos e distribuídos, e mudar o mundo como resultado.

  “É inútil forçar os ritmos da vida. A arte de viver consiste em aprender a dar o devido tempo  às coisas. ”

– Carlo Petrini, fundador do Slow Food

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:

Você pode Gostar

Tags : agricultura sustentávelalimentaçãobiodiversidadebiodiversidade vegetalcomida organicadr. juliano pimentelfast foodmovimento Slow Foodprazerslow food

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

1 Comentário

  1. Muito bom e esclarecedor um movimento que nos faz repensar sobre nossa forma de vida e valorizar o que temos em nossa região em termos de alimentos cultura respeito aos produtores meio ambiente e biodiversidade…

Enviar Resposta