close
ArtigosDores

Bulimia: Causas, Sintomas e Formas de Tratamento

Dr Juliano Pimentel

Você sente um medo excessivo em ganhar peso? Come compulsivamente e depois sente culpa e frustração? Esses são alguns sintomas do transtorno alimentar conhecido por bulimia.

Transtornos alimentares são um problema real, que pode afetar homens e mulher, mas que especialmente atinge meninas e mulheres. Colocando isso em números, de acordo com pesquisa no New York Times, 95% dos pacientes com anorexia e cerca de 85% dos pacientes com bulimia nervosa são do sexo feminino (1).

Mas como é possível saber se você ou alguém conhecido está sofrendo os efeitos da bulimia, e porque este tipo de transtorno alimentar deve ser reconhecido?

Existem muitas razões, e todos elas podem levar a perigosos efeitos colaterais, sérios danos corporais tais como menstruação irregular, desequilíbrios hormonais e muito mais, além de problemas neurológicos.

Existe uma enorme quantidade de estresse causado pela luta contra a bulimia nervosa, que prejudica ainda mais a vida do indivíduo que sofre com esse distúrbio alimentar.

Alguém com bulimia costuma lutar com uma excessiva  preocupação com a sua imagem corporal, o que leva a severas restrições calóricas, além do sentimento de inadequação e vergonha corporal, sentimentos contínuos de ansiedade, culpa e remorso.

Infelizmente, o risco de morte por suicídio ou complicações médicas aumenta para quem sofre com transtornos alimentares de qualquer tipo.

Muitas pessoas com bulimia ou outros distúrbios alimentares tendem a ser extremamente críticos consigo mesmos.

Sem ajuda, o estresse crônico causado por esta doença pode deteriorar o corpo e organismo, juntamente com os seus relacionamentos, senso de autoestima e autocontrole.

Quanto mais cedo a bulimia é descoberta, maiores são as chances do paciente resgatar sua saúde e prevenir futuras recaídas. Neste artigo, vou compartilhar os principais sintomas da doença, como ela afeta o organismo e as formas de tratamento.

Não deixe de ler e compartilhar.

O que é Bulimia?

Bulimia é considerado um transtorno alimentar grave que gira em torno de comer grandes quantidades de alimentos de uma vez, seguido de tentar “livrar-se” das calorias que foram consumidas.

A bulimia é considerada uma doença potencialmente fatal que afeta milhões de pessoas, especialmente mulheres, e é mais comum do que a anorexia nervosa.

Ela envolve padrões de alimentação erráticos e geralmente vômitos vigorosos, abuso de laxantes e, por vezes, excesso de exercícios físicos; existem múltiplos sintomas e riscos envolvidos, tanto físicos como mentais.

O que diferencia a bulimia nervosa de outros transtornos alimentares é o comportamento de tentar livrar-se do que comeu regularmente, independentemente de como exatamente isso acontece. A ênfase está sempre na eliminação de calorias extras com objetivo de evitar ganho de peso ou para alcançar a perda de peso, isso acontece de maneiras insalubres.

Sintomas e Fatores de Risco para Bulimia Nervosa

De acordo com a National Eating Disorders Organization, bulimia nervosa é caracterizada por sintomas que incluem (2):

>> Consumo de alimentos em quantidade desequilibrada e excessiva, seguido por comportamentos de compensação para evitar ganho de peso;

>> Sentimentos intensos de estresse crônico e de estar fora de controle em relação à comida;

>> Autoestima altamente dependente do peso corporal e da sua imagem.

A maioria das pessoas pensam que apenas pessoas muito magras possuem padrões alimentares distorcidos, mas a verdade é que homens e mulheres de todas as formas e tamanhos podem sofrer com transtornos alimentares.

Na verdade, a maioria das pessoas com bulimia não parecem ter sinais visíveis de um problema, e estão geralmente na média em termos de peso corporal.

Bulimia pode desenvolver-se por muitas razões diferentes, e é geralmente uma combinação de vários fatores ambientais e genéticos. Alguns dos fatores de risco conhecidos, e que tornam alguém mais propenso a desenvolver bulimia nervosa incluem (3):

  •          Ser do gênero feminino;
  •         Adolescente ou adulto jovem;
  •         Estar envolvido em um tipo de esporte ou hobby que enaltece o corpo magro;
  •         Ter alguém na família que luta contra a bulimia;
  •         Ter um histórico com dietas, ganho e perda de peso e uma preocupação com a magreza;
  •         Histórico de depressão, ansiedade e transtornos mentais.

Se você suspeita que sofre de bulimia, especialistas recomendam fazer as perguntas abaixo. Quanto mais você responder “sim”; maior a probabilidade de que você lide com um transtorno alimentar(4):

>> Você é obcecado pelo seu corpo, tamanho e peso?

>> Quando você come, você se sente culpado, envergonhado ou deprimido?

>> Você pensa frequentemente sobre alimentos, calorias e dietas; ao ponto disso interferir em sua vida, trabalho e relacionamentos?

>> Você tem medo de ganhar peso, sentir-se fora de controle e teme que quando você começar a comer, você não será capaz de parar?

>> Você come até que esteja excessivamente cheio?

>> Você toma laxantes regularmente ou vomita para ajudar a controlar o peso?

>> Você se exercita compulsivamente?

Como a Bulimia Nervosa se desenvolve?

Contrariamente à crença popular, todos os que sofrem de bulimia não vomitam necessariamente.

A bulimia geralmente é categorizada em dois grupos: aqueles que envolvem vômitos regularmente ou uso de laxantes e diuréticos, e aqueles que envolvem a compensação de calorias de outras maneiras.

Algumas das maneiras comuns que um bulímico não purgante usa para “compensar” comer grandes quantidades de calorias incluem restringir severamente a ingestão de alimentos, períodos regulares de jejum / jejum intermitente ou exercício excessivo além de uma quantidade saudável.

Muitas pessoas com bulimia não se encaixam perfeitamente em uma categoria e podem demonstrar comportamentos de ambas. Por exemplo, alguém pode passar longos períodos sem usar laxantes ou vômitos, mas em vez disso se concentrar no exercício extremo para queimar muitas calorias juntamente com uma dieta restritiva.

Na verdade, a maioria das pessoas com bulimia nervosa tem alguns sintomas sobrepostos e comportamentos de outros transtornos alimentares, como a anorexia (restrição de calorias). Embora a gravidade da bulimia pode variar muito dependendo do caso, o desejo subjacente e distorção são geralmente os mesmos: tornar-se mais magro e conseguir uma forma corporal específica utilizando qualquer meio necessário, mesmo que seja prejudicial para a saúde.

O que diferencia as pessoas com bulimia nervosa dos milhões de outras pessoas que desejam mudar suas formas corporais? Como os transtornos alimentares são questões psicológicas tão complexas, podem ser desencadeados por fatores sobrepostos e interligados, como (5):

  •         Ter uma imagem corporal distorcida e baixa autoestima. Isso geralmente é desencadeado pelo “ideal ocidental” de magreza e padrões de beleza irrealistas que são enfatizados na mídia;
  •         História de problemas familiares e abuso;
  •         Traços de personalidade que favorecem o perfeccionismo. Um ambiente doméstico crítico, excesso de rigidez e expectativas muito altas são todos fatores de risco;
  •         Stress causado por grandes mudanças de vida. Períodos de transição podem elevar os níveis de estresse e causar ansiedade;
  •         Hobbies e atividades que enfatizam o corpo. Uma alta porcentagem de pessoas com bulimia faz parte de grupos de danças de balé, ginástica, atletismo, entre outros.

Efeitos colaterais da Bulimia Nervosa

girl-looking-mirror
Mudanças notáveis de peso são sintomas da bulimia

Um dos efeitos colaterais mais perigosos e comuns da bulimia são os danos causados ao sistema digestivo, uma vez que comer demais e depois se livrar do alimento têm efeitos negativos sobre a produção de enzimas digestivas, equilíbrio de fluidos e níveis de eletrólito.

Vomitar e tomar laxantes podem levar a desequilíbrios eletrolíticos e químicos, que causam efeitos em cascata em outros sistemas e órgãos, como um batimento cardíaco anormal e sintomas de depressão.

Ao mesmo tempo, altas quantidades de estresse juntamente com deficiências de nutrientes podem alterar os níveis hormonais e alterar o funcionamento do neurotransmissor.

Alguns dos efeitos negativos da bulimia nervosa para a saúde são (6):

>> Desequilíbrio de potássio e sódio, uma vez que o vômito/purga pode alterar os balanços de nutrientes, eletrólitos e fluidos chave.

>> Batimentos cardíacos irregulares e maior probabilidade de ataques cardíacos, insuficiência cardíaca e morte devido a um desequilíbrio eletrolítico.

>> Desidratação, que pode afetar negativamente a digestão, capacidades mentais, movimentos musculares e funcionamento do coração.

>> Capacidade reduzida de digerir os alimentos corretamente e absorver nutrientes.

>> Problemas para ir ao banheiro normalmente, incluindo estômago inchado, constipação e diarreia, causada por tomar laxantes e alterar os níveis de enzimas e eletrólitos.

>> Maior risco de úlceras e rupturas gástricas.

>> Maior probabilidade de ter mudanças de peso que afetam negativamente a tireoide e a saúde hormonal.

>> Maior probabilidade de lidar com infertilidade e menstruações irregulares.

>> Diminuição da resposta imunológica a infecções ou doenças mais comuns.

>> Maior risco de depressão, transtornos de ansiedade e suicídio.

>> Níveis mais elevados de inflamação, o que pode aumentar o risco de várias doenças crônicas.

Pessoas com bulimia muitas vezes descrevem suas situações como constantes batalhas internas, quase como se tivessem duas ou até três vozes opostas em suas cabeças, todas com desejos diferentes.

De um lado ela pode sentir um forte desejo de perder peso ou ficar magro, por outro lado há a vontade de comer compulsivamente.

Antes de seguir, é importante evidenciar que, a melhor estratégia é sempre optar por uma alimentação de verdade, com legumes, verduras, grãos, frutas e carnes.

Além disso, você pode incluir diariamente sucos vegetais. Esses sucos além de nutritivos, desintoxicam o corpo, eliminando inflamação e excessos.

Faça o Download

Alguns sinais comuns que podem indicar bulimia incluem (7):

  •          Mudança notável de peso, às vezes rapidamente e sem qualquer explicação;
  •         Indícios de compulsão alimentar;
  •         Idas frequentes ao banheiro logo após comer;
  •         Sigilo em relação à comida, como levantar-se no meio da noite para comer sozinho ou escondendo comida pela casa ou local de trabalho;
  •         Rituais ao comer, incluindo comer apenas em determinados momentos ou evitar certos grupos de alimentos;
  •         Isolamento social e retração;
  •         Envolvimento em outros comportamentos compulsivos, incluindo beber álcool, usar drogas ou abusar de medicamentos;
  •         Interesse maior em perda de peso e dietas.

Tratamento para bulimia 

Distúrbios alimentares precisam ser acompanhadas por um médico especialista, e não há nenhuma “cura” conhecida para a bulimia.

Alguns dos passos mais importantes para combater o distúrbio incluem:

  1. Obtenha ajuda profissional

Todos os transtornos alimentares são problemas complexos que normalmente exigem a busca de ajuda, como de um terapeuta, médico e nutricionista.

Acredita-se que os padrões de pensamento compulsivos que causam bulimia funcionam como um ciclo, uma vez que se tornam habituais e “o novo normal” para alguém que está sofrendo.

No entanto, com ajuda e treinamento adequado para mudar os padrões de pensamento de alguém e comportamentos; esse ciclo mortal pode ser quebrado (8).

Um dos métodos de tratamento mais bem sucedidos para combater a bulimia e outros transtornos alimentares é chamado de terapia cognitivo-comportamental (TCC), que se concentra na mudança de padrões de pensamento que pode auxiliar na mudança de comportamentos negativos (9,10).

  1. Esqueça a dieta

Ironicamente, o vômito e a purga geralmente não resultam em perda de peso.

Vômito, exercício excessivo e uso de laxantes na maioria dos casos não compensa as calorias consumidas em excesso, por isso as pessoas com bulimia normalmente nunca atingem seu “peso ideal” e só perpetuam o ciclo alimentar distorcido, além das consequências negativas para a saúde que esses hábitos trazem.

Alguns especialistas acreditam que o vômito, por exemplo, só “apaga” cerca de 50% das calorias consumidas, enquanto os laxantes cerca de apenas 10%. Muitas pessoas realmente acabam ganhando peso a longo prazo, em vez de emagrecer.

Para uma alta porcentagem de pessoas com transtorno alimentar, suas intenções começam inocente – geralmente querendo perder algum peso.

Mas a restrição pode agir como um gatilho e acabar causando uma obsessão com a alimentação, dieta e perda de peso. Como consequência, o corpo responde com aumento da fome, e com compulsões prejudicam a saciedade.

Na verdade, o próprio ato de “dieta” é visto como uma das maiores causas de compulsão alimentar. Por isso, eu sempre falo com meus pacientes sobre reeducação alimentar, e não dietas restritivas.

  1. Concentre-se mais na saúde 

Explorar outras maneiras de ser feliz sem atingir um determinado peso corporal, é geralmente considerado a chave final para resolver problemas emocionais que causam padrões alimentares distorcidos.

Enfatizar a saúde, apreciar mais as situações sociais, sentir-se mais relaxado em relação ao alimento e por ter mais energia em outras áreas da vida (relacionamentos, espiritualidade, passatempos, família e carreira) é crucial para a recuperação da bulimia.

É claro que quebrar esses padrões de pensamento e relacionamento distorcido com o alimento não é fácil, e a pessoa irá precisar de ajuda.

Procurar ajuda profissional, como já foi falado, é fundamental. Assim como se cercar de um grupo de pessoas de apoio, falar abertamente sobre os seus sentimentos, medos e ansiedades é muito importante!

Se abrir com a sua família e amigos é muito útil para o tratamento da bulimia.

Nas minhas redes sociais nós formamos uma corrente do bem, repleta de apoio e informação. Te convido a fazer parte dela!

Falando ainda sobre a importância da reeducação alimentar e da exclusão dos alimentos industrializados e processados, eu trago a oportunidade de você transformar a sua saúde de forma efetiva!

Por isso eu trago a revolução da saúde, um projeto que pretende mudar a cara da alimentação e da saúde de todos!

Você, os seus filhos e toda a família merecem uma transformação na saúde que realmente seja eficaz, cuidando do corpo de dentro para fora!

Eu desenvolvi um e-book para ajudar você a fazer essa transformação, com todas as informações que você precisa e um guia passo a passo para implementar.

Você ainda ganha acesso aos Bônus Exclusivos!!

Quer saber como conseguir? Então clique na imagem abaixo e adquira agora o meu livro digital:

VIVA MELHOR SEM GLÚTEN V 2.0

Ebook Viva Sem Glúten, Dr. Juliano Pimentel

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:

Você pode Gostar

Tags : abusar de medicamentosautoestimabulimiabulimia nervosacomplicações médicascomportamentos negativosculpa e frustraçãodanos corporaisdepressãodesequilíbrios hormonaisdietasdistúrbio alimentardoença potencialmente fataldr. juliano pimentelefeitos colateraiseliminação de calorias extrasemagrecerestresse crônicoexcesso de exercícios físicosfamíliafatores ambientaisfatores de riscoganhar pesohomensimagem corporalIndícios de compulsão alimentarIsolamento sociallaxantesmedo de ganhar pesoNational Eating Disorders OrganizationNew York Timespacientes com anorexiapadrões de alimentação erráticosperda de pesoperder pesoproblemas neurológicosrecuperação da bulimiareeducação alimentarrestrições calóricassaúdesexo femininosintomas da bulimiasuicídioterapia cognitivo-comportamentaltranstornos alimentares

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta