close
ArtigosMetabolismo

Compulsão alimentar – Você come compulsivamente? Veja o que fazer

compulsão alimentar

Você tem o controle do que você come, ou será que você apresenta sintomas de compulsão alimentar?

O transtorno de compulsão alimentar é uma situação séria que precisa de atenção e tratamento.

A compulsão alimentar é caracterizada por excessos compulsivos ou pelo consumo de quantidades anormais de alimentos. Ao mesmo tempo em que se sente incapaz de parar e de perder o controle.

Porém, muitas vezes um episódio de tristeza, como uma briga com alguém próximo, o fim de um relacionamento, ou problemas no trabalho, por exemplo, pode resultar em uma comilança desenfreada, devida a ansiedade e aflição.

Se você já passou por uma situação dessa, no entanto, não significa que você sofre de compulsão alimentar.

Mas como identificar um episódio de compulsão alimentar? E o que fazer?

Bom, é exatamente sobre isso, que vou destacar neste artigo.

Então se você gostou desse tema, leia, compartilhe e deixe seu comentário! 😉  

Compulsão Alimentar – Como identificar

Uma característica de uma ocorrência de compulsão alimentar é a frequência. Os episódios de compulsão alimentar, são geralmente classificados como ocorrendo em média, no mínimo duas vezes por semana, por um período de seis meses.  

Um outro atributo que pode ser relacionado a compulsão alimentar é o peso. Embora o transtorno da compulsão alimentar aconteça com homens e mulheres com peso normal, isso frequentemente leva ao desenvolvimento de ganho de peso indesejado ou obesidade, o que pode indiretamente reforçar a compulsão alimentar.

Mulher com compulsão alimentar
A compulsão alimentar leva ao desenvolvimento de ganho de peso indesejado ou obesidade.

O fato é que as pessoas que sofrem de transtorno da compulsão alimentar, na verdade, estão lutando com emoções de repulsa e culpa e muitas vezes têm uma comorbidade relacionada, como depressão ou ansiedade.

Os sentimentos negativos que geralmente acompanham a compulsão alimentar muitas vezes levam-no a continuar a usar a comida para lidar com isso. Criando assim um ciclo vicioso, de ansiedade, comida exagerada e ganho de peso.

Você pode estar com peso normal, mas a maioria das pessoas com transtorno da compulsão alimentar periódica está com sobrepeso ou obesidade.

Sintomas

Os principais sinais e sintomas comportamentais e emocionais do transtorno de compulsão alimentar incluem:

  • Comer quantidades extraordinariamente grandes de alimentos em um período de tempo específico, como em um período de duas horas, por exemplo;
  • Além disso, você pode sentir que seu comportamento alimentar está fora de controle;
  • Outro sinal é, continuar comendo mesmo quando você está cheio ou sem fome
  • Comer rapidamente durante episódios de compulsão
  • Comer tanto, até o ponto que você fica desconfortavelmente cheio
  • Comer frequentemente sozinho ou em segredo
  • Ficar deprimido, enojado, envergonhado, culpado ou chateado com a sua alimentação
  • Fazer uma dieta frequentemente, mas sem resultados positivos. Sem  perda de peso

Diante todos esses sintomas o que a gente pode observar é que comer compulsivamente é promove um estado de prazer, enquanto se come. Afinal a comida é usada como um elemento para sair da dor.

Mas logo depois, se transforma em uma situação constrangedora de mais dor.

Eu mencionei que a compulsão alimentar está relacionada ao peso, justamente porque quem sofre desse transtorno, ao contrário de uma pessoa com bulimia, que depois de uma compulsão, usa o vômito, laxante, exercícios físicos exageradamente pear reparar o quanto comeu.

As pessoas que comem compulsivamente normalmente não fazem nada para compensar a comida em excesso. Ou seja, tendem a ganhar peso dia após dia.  

Normalmente quando as pessoas percebem o ganho de peso, tentam fazer dieta ou comer refeições normais. Mas, restringir a dieta pode simplesmente levar a mais compulsão alimentar.

E o que causa a compulsão alimentar?

A causa exata do transtorno da compulsão alimentar é desconhecida. No entanto, existe uma variedade de fatores que influenciam o desenvolvimento desse transtorno.

Esses fatores são:

  • Biológicos

Anomalias biológicas, como irregularidades hormonais ou mutações genéticas, por exemplo, podem estar associadas à compulsão alimentar e alimentar.

  • Psicológicos

Uma forte correlação foi estabelecida entre depressão e compulsão alimentar.

Além do mais a insatisfação corporal, a baixa autoestima e a dificuldade em lidar com os sentimentos, por exemplo, também podem contribuir para o transtorno da compulsão alimentar periódica.

  • Social e Cultural

Situações traumáticas, como uma história de abuso sexual, podem aumentar o risco de compulsão alimentar.

Além disso, as pressões sociais, que são tipicamente influenciadas pela mídia, podem desencadear uma alimentação emocional.

E mais, pessoas sujeitas a comentários críticos sobre seu corpo ou peso podem ser especialmente vulneráveis ​​ao transtorno da compulsão alimentar periódica.

São muitas e variadas as causas que motivam uma pessoa a desencadear um transtorno alimentar compulsivo.

E o pior é que além de todo o mal psicológico que a pessoa já está enfrentando, sua saúde também fica prejudicada devido a alimentação desenfreada.

Afinal, as consequências do transtorno da compulsão alimentar envolvem muitas dificuldades físicas, sociais e emocionais.

Algumas dessas complicações são:

  • Doença cardiovascular
  • Diabetes tipo 2
  • Insônia ou apneia do sono
  • Hipertensão
  • Doença da vesícula biliar
  • Dor muscular e articular
  • Dificuldades gastrointestinais
  • Além depressão e ansiedade

Por isso, volto a repetir compulsão alimentar tem que ser tratada. Sendo assim, é preciso estar atenta ao comportamento alimentar das crianças, principalmente adolescentes, e aos seus também.

consequências da compulsão alimentar
As consequências da compulsão alimentar envolvem dificuldades físicas, sociais e emocionais.

Ao identificar a combinação de alguns desses sintomas, procure um médico.

Então, vamos aos tratamentos.

Algumas medidas podem ser tomadas aí mesmo dentro de casa, a fim de reverter essa situação e amenizar a ansiedade para evitar um episódio de compulsão alimentar.

O que você pode fazer

Faça um Passeio

Porque isso doutor? Andar a pé também pode melhorar o seu humor e reduzir alguns dos sentimentos negativos que podem desencadear uma alimentação emocional.

E de fato, a atividade física pode estimular a liberação de neurotransmissores importantes, como a serotonina e a norepinefrina, que podem ajudar a proteger contra condições como depressão e ansiedade (1).

Além do mais, o exercício também demonstrou melhorar o humor e reduzir os sentimentos de estresse, o que pode ajudar a prevenir futuros episódios de compulsão (2, 3).

Faça Yoga

Praticar yoga pode promover hábitos alimentares saudáveis, consequentemente, pode reduzir o risco de excessos (4, 5).

Um pequeno estudo analisou a eficácia do yoga como um tratamento para o transtorno da compulsão alimentar periódica e descobriu que ele ajudou a reduzir a compulsão alimentar e até levou a reduções no índice de massa corporal (6).

Não só isso, mas a ioga pode ter um efeito positivo no seu humor para ajudar a evitar uma alimentação emocional e mantê-lo motivado depois de uma compulsão não planejada.

Também foi mostrado para diminuir os níveis de cortisol. Isso pode ajudar a reduzir a ansiedade e a depressão, influenciando a captação do neurotransmissor serotonina (7, 8).

Faça Terapias

Existem também três tipos de terapia que podem ser especialmente úteis no tratamento do transtorno da compulsão alimentar. Essas terapias são:

  • Terapia cognitivo-comportamental (TCC): Um tipo de terapia que visa ajudar as pessoas a entender os pensamentos e sentimentos que influenciam seus comportamentos (9).
  • Psicoterapia Interpessoal (IPT): Uma forma de terapia em que o foco está nas relações de um indivíduo com os membros da família e com os colegas e com a maneira como eles se veem (10).
  • Terapia Comportamental Dialética (DBT): Um tipo de terapia que se concentra em ensinar as habilidades dos indivíduos para lidar com o estresse e regular as emoções (11).

Olhe para os alimentos com consciência

A prática da alimentação consciente é a prática de prestar muita atenção à maneira como você se sente enquanto come, em vez de simplesmente jogar a comida em sua boca.

Tudo se resume em reconhecer como você se sente enquanto come e aprecia o sabor, a textura e o cheiro de seus alimentos.

A alimentação consciente pode ajudar a tratar o transtorno da compulsão alimentar (12).

Para se ter ideia, uma revisão de 14 estudos mostrou que a prática da atenção plena reduziu efetivamente a incidência de compulsão alimentar e emocional (13).

Além desse, outro pequeno estudo descobriu que quando as mulheres com problemas de compulsão alimentar colocaram em prática a alimentação consciente elas experimentaram melhores comportamentos alimentares e aumentaram a autoconsciência (14, 15).

Para começar então, a praticar a alimentação consciente, minimize as distrações externas e tente comer e apreciar sua comida lentamente. Aprenda a reconhecer quando está se sentindo satisfeito para saber quando é hora de parar de comer.

Se você identificou que pode estar sofrendo com compulsão alimentar, já sabe o que fazer.

Procure um médico, adote bons hábitos e se mantenha hidratada. Para estimular esse processo, vou disponibilizar 10 receitas de sucos desintoxicantes, para limpar seu organismo.

Te proporcionar mais vitalidade e energia para se alimentar e viver melhor.

Sucos Vegetais para minimizar sintomas da compulsão alimentar

Abraços e fique com Deus.

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : açúcaralimentaçãoansiedadeansiedade crônicacompulsão alimentarcompulsão alimentar recorrentedepressãodestaquedr. juliano pimentelobesidadePsicoterapia Interpessoalsaúdeterapia cognitivo-comportamentalTerapia Comportamental Dialéticayoga

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta