https://casinoonlineca.ca/internet-casinos/best-payout/
close
ArtigosDores

Derrame por que acontece? É possível evitar?

O derrame ou AVC acontece quando o fluxo sanguíneo é interrompido e o cérebro deixa de receber oxigênio e nutrientes. As células cerebrais começam a morrer em minutos.

Perceber os sintomas do derrame é essencial para evitar a morte do paciente e os efeitos colaterais. O AVC é uma situação de emergência, as células do cérebro uma vez comprometidas elas não se regeneram.

Nos próximos minutos você vai saber as causas do derrame, como identificar se alguém perto de você tem sintomas e o que pode ser feito previamente para evitar passar por uma situação dessa.

Leia o artigo até o final e envie no grupo da família. Assim, as pessoas que você ama também terão informação para se cuidarem. 

Tipos de Derrame

Conheça os dois tipos de derrame.
Conheça os dois tipos de derrame.

Primeiramente, vale esclarecer que derrame e AVC – Acidente Vascular Cerebral são a mesma coisa. 

Ou seja, o AVC interrompe o fluxo sanguíneo. Essa interrupção pode acontecer de duas maneiras.

AVC Isquêmico: quando uma artéria é bloqueada;

AVC Hemorrágico: quando há o rompimento de um vaso sanguíneo.

Além desses dois tipos de derrame, é possível que haja também uma interrupção temporária do fluxo sanguíneo para o cérebro. Conhecida como ataque isquêmico transitório (AIT), que não causa sintomas duradouros.

Derrame Isquêmico

Esse é o tipo mais comum de derrames. Isso porque eles acontecem quando um coágulo de sangue bloqueia o fluxo de sangue e oxigênio para o cérebro.

Esses coágulos sanguíneos normalmente se formam em áreas onde as artérias foram estreitadas ao longo do tempo por depósitos de gordura conhecidos como placas. Este processo é conhecido como aterosclerose.

A verdade é que naturalmente as artérias tendem a ficar mais estreitas com o passar dos anos, no entanto, algumas coisas podem acelerar esse processo.

No entanto, a aceleração do estreitamento das artérias está relacionada principalmente a hábitos ruins que desencadeiam condições de comorbidades, por exemplo. 

Alguns dos hábitos que podem estreitar suas artérias são: fumar, ter pressão alta (hipertensão), obesidade, altos níveis de colesterol, diabetes e ingestão excessiva de álcool, por exemplo.

Além disso, existe outra possível causa de acidente vascular cerebral isquêmico. É um tipo de batimento cardíaco irregular denominado fibrilação atrial.

Isso pode causar coágulos sanguíneos no coração que se separam e acabam nos vasos sanguíneos que irrigam o cérebro.

Derrames hemorrágicos

Os derrames hemorrágicos também conhecidos como hemorragias cerebrais ou intracranianas são menos comuns do que os isquêmicos.

Eles acontecem quando um vaso sanguíneo dentro do crânio explode e sangra para dentro e ao redor do cérebro.

A principal causa do AVC hemorrágico é a hipertensão. Pois, pode enfraquecer as artérias do cérebro e torná-las mais propensas a se dividir ou romper.

Condições que elevam a sua pressão e aumentam as chances de um AVC hemorrágico são:  estar acima do peso, beber quantidades excessivas de álcool, fumar, falta de exercício e por fim, estresse.

Além disso, os derrames hemorrágicos também podem ser causados ​​pela ruptura de uma expansão semelhante a um balão de um vaso sanguíneo. É o que chamamos de aneurisma cerebral ou vasos sanguíneos com formação anormal no cérebro.

Complicações provenientes do Derrame

O paciente pode ficar paralisado. Em um lado do corpo ou perder o controle de certos músculos, como os de um lado do rosto ou de um braço.

Dificuldade em falar ou engolir. Isso porque um derrame pode afetar o controle dos músculos da boca e da garganta. Tornando difícil falar claramente, engolir ou comer. Além disso, você também pode ter dificuldade com a linguagem, incluindo falar ou entender a fala, ler ou escrever.

Perda de memória ou dificuldades de pensamento. Muitas pessoas que sofreram derrame apresentam alguma perda de memória. Outros podem ter dificuldade em pensar, raciocinar, fazer julgamentos e compreender conceitos, por exemplo.

Problemas emocionais. Pessoas que sofreram derrame podem ter mais dificuldade em controlar suas emoções ou podem desenvolver depressão.

Dor. Dor, dormência ou outras sensações incomuns podem ocorrer nas partes do corpo afetadas pelo derrame. Por exemplo, se um derrame o faz perder a sensibilidade no braço esquerdo, você pode desenvolver uma sensação desconfortável de formigamento nesse braço.

Mudanças de comportamento e capacidade de autocuidado. Pessoas que sofreram derrame podem ficar mais retraídas. Eles podem precisar de ajuda com a higiene e as tarefas diárias, por exemplo.

É possível evitar um AVC?

Alguns fatores que contribuem para o derrame não podem ser alterados. Por isso, não é possível evitar totalmente o AVC.

Pessoas com mais de 55 anos, por exemplo, têm maior probabilidade de ter um AVC. Além disso, suas chances aumentam caso alguém da sua família já teve.

No entanto, já vimos nas linhas anteriores que comorbidades como pressão arterial alta, diabetes e obesidade te encaminham para um AVC. 

Melhorar a saúde para evitar doenças

1 – Controle sua pressão arterial, isso pode ser feito com mudanças de hábitos simples. Faça caminhada de pelo menos 30 minutos por dia, além disso, adote práticas de relaxamento, pode ser ioga ou respiração profunda. Suplementação com vitamina D de 80 e Magnésio, por exemplo,  ajudam no controle da hipertensão.

2 – Elimine os vícios de tabaco e álcool, por exemplo. Fumar aumenta o risco de derrame para fumantes e não fumantes expostos ao fumo passivo. E o consumo excessivo de álcool aumenta o risco de hipertensão, derrames isquêmicos e derrames hemorrágicos. Além disso, o álcool também pode interagir com outras drogas que você está tomando. 

3 – Gerencie a diabetes e seu peso. Dieta, exercícios e perda de peso podem ajudá-lo a manter o açúcar no sangue em uma faixa saudável. Se os fatores de estilo de vida não parecem ser suficientes para controlar seu diabetes, seu médico pode prescrever medicamentos para diabetes. O excesso de peso contribui para outros fatores de risco de AVC, como hipertensão, doenças cardiovasculares e diabetes.

4 – Melhore a qualidade do seu sono. Coloque em prática a higiene do sono e você vai mudar sua vida literalmente da noite para o dia. 

Antes de ir, assista ao vídeo e comente o que você achou deste artigo.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

🔴 Curta também as redes sociais! 📷Instagram / 👍Facebook / 🎥 YouTube

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : AVCderrame

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta

7 saúdes com Dr. Juliano Pimentel