close
ArtigosDores

Enxaqueca: Conheça as Causas e os Tratamentos

Dr Juliano Pimentel

Embora sejam menos comuns do que dores de cabeça “convencionais”, é essencial dar atenção para a enxaqueca e encontrar uma forma de tratamento.

Estimativas mostram que o problema é ainda mais comum para mulheres de meia-idade (1).

A enxaqueca pode causar dor, sensibilidade ao ruído ou à luz, e até mesmo problemas digestivos, afetando muito a qualidade de vida da pessoa.

E o que fazer para aliviar as dores de cabeça crônicas?

Os tratamentos naturais para sintomas de enxaqueca incluem aprender a controlar o estresse mais eficazmente, reduzir a exposição a gatilhos, como muita luz artificial, e resolver deficiências de nutrientes.

Não deixe de ler e compartilhar este artigo.

Enxaqueca e as Causas

A enxaqueca é um tipo de dor de cabeça intensa, especialmente aquelas que são recorrentes e causam latejamento em um lado da cabeça.

No passado, os especialistas acreditavam que a enxaqueca era diferente das dores de cabeça de tensão e tinham causas separadas.

No entanto, hoje é amplamente aceito que dores de cabeça realmente possuem causas semelhantes, com algumas pessoas apenas experimentando dor leve ocasionalmente e outros com sintomas de enxaqueca severa e recorrente.

Acredita-se que todos os tipos de dores de cabeça têm causas semelhantes, incluindo altos níveis de inflamação, aumento do estresse e mudanças nos níveis de neurotransmissores, como a serotonina.

Enxaquecas tendem a piorar durante períodos de estressante ou de mudanças significativas de vida.

Porque a maioria dos tipos de dores de cabeça estão relacionadas com o controle do estresse e deitas pobres em nutrientes, que podem ajudar a manter os sintomas da enxaqueca.

Sintomas de enxaqueca

Médicos e pesquisadores dividem os sintomas da enxaqueca em quatro estágios: pródromo, aura, dor de cabeça e término.

Esses estágios descrevem a transição do primeiro sinal de sintomas de dor e enxaqueca através do período mais intenso de dor e, em seguida, para o estágio quando a dor diminui, mas ainda persiste (2).

Os sintomas de enxaqueca mais comuns incluem (3):

  •         Dor intensa em um ou ambos os lados da cabeça – a maioria das pessoas tem dor de enxaqueca em apenas um lado da cabeça de cada vez;
  •         Náuseas, perda de apetite ou dores de estômago;
  •         Aumento da sensibilidade ao som e à luz;
  •         Irritabilidade;
  •         Visão turva, vendo luzes piscando, ou vendo formas e linhas incomuns;
  •         Tonturas e tremores;
  •         Entorpecimento ou fraqueza nos músculos faciais ou cervicais;
  •         Aumento da sede;
  •         Incapacidade de se concentrar, falar normalmente ou manter uma conversa.

Antes de um “ataque de enxaqueca“, algumas pessoas têm a sensação de a enxaqueca está chegando porque começam a se sentir um pouco “fora de funcionamento” (sensações que os especialistas se referem como “auras” ou distúrbios visuais).

Sua visão pode começar a ficar prejudicada, seu estômago pode começar a doer, e então sua cabeça começa a pulsar.

Normalmente, dentro de cerca de 30-60 minutos após notar os primeiros sintomas de enxaqueca, a dor ocorre.

E quantas vezes as enxaquecas ocorrem em média? A maioria das pessoas tem enxaqueca ocasional cerca de uma ou duas vezes por mês, mas outros podem tê-las todas as semanas ou mesmo por vários dias em sequência. A enxaqueca média dura cerca de quatro horas até cerca de três dias (4).

Uma vez que o pior estágio da dor é longo, alguns sentem sintomas persistentes de enxaqueca por cerca de 24 horas (chamado de estágio pródromo).

Durante esta fase, é possível experimentar confusão contínua, sentir-se muito cansado, mal humorado e sensível à mudanças do ambiente por cerca de um a dois dias.

Podem ocorrer ainda distúrbios psicológicos relacionado à enxaqueca.

Também é possível sofrer de ansiedade relacionada a ter enxaquecas.

Algumas pessoas relatam lidar com o medo de ter ataques no futuro, preocupações sobre as consequências dos ataques, depressão sobre o tempo perdido no trabalho ou com a família e outros problemas psicológicos relacionados com a diminuição da qualidade de vida.

Isso parece ser verdade especialmente entre mulheres com enxaqueca (5).

Infelizmente, esses sentimentos negativos associados à dor de enxaqueca podem levar a um ciclo vicioso, onde o estresse de alguém sobre a condição realmente faz com que essa pessoa piore os sintomas da enxaqueca e evite praticar atividades de redução do estresse que poderiam melhorar a dor.

Causas da Enxaqueca

looking_local_on_mobile_image_crop
Exposição à luz de objetos eletrônicos pode causar enxaqueca

Enxaquecas são causadas por eventos neurológicos anormais que estão relacionados com mudanças no fluxo sanguíneo, sinalização nervosa e funções musculares.

Os sintomas da enxaqueca são geralmente desencadeados por vários fatores, incluindo:

  •         Aumento da inflamação que afeta o fluxo sanguíneo normal, e os vasos sanguíneos, atingindo o cérebro;
  •         Alterações nos sinais nervosos e níveis de neurotransmissor que causam dor. Isso inclui baixos níveis de serotonina e alterações no nervo trigêmeo, que libera substâncias chamadas neuropeptídios;
  •         Estresse (incluindo sentimentos de ansiedade, ocupado, apressado e nervoso);
  •         Alterações hormonais, por vezes afetadas por uma dieta deficiente em nutrientes ou outra condição de saúde;
  •         Disfunção no tronco cerebral devido a lesões ou doenças passadas;
  •         Falta de sono;
  •         Reações a medicamentos (incluindo aqueles que afetam os nervos, hormônios e pressão arterial);
  •         Possivelmente uma susceptibilidade genética – algumas pesquisas mostram que uma alta porcentagem de pessoas (70% a 90 %) com enxaquecas têm membros da família que também sofrem de dores de cabeça intensas.

Fatores de Risco para Enxaqueca

Alguns especialistas acreditam que as pessoas com sintomas de enxaqueca têm sistemas nervosos centrais excessivamente sensíveis, que respondem fortemente a “gatilhos” em seu ambiente.

Pesquisas mostram que várias coisas podem desencadear dores de cabeça em algumas pessoas, ou ainda piorar uma dor já existente, incluindo mudanças na atividade física, falta de sono e estresse emocional.

Fatores de risco e gatilhos para sintomas de enxaqueca incluem: (6)

  •         Ser mulher, especialmente jovem ou de meia-idade. Enxaquecas são mais comuns em mulheres do que em homens;
  •         Passar por mudanças hormonais, como a puberdade ou a menstruarão para as mulheres. Os exames mostram que as mulheres têm frequentemente suas primeiras enxaquecas quando começam a ter seus ciclos menstrual;
  •         Comer uma dieta pobre em nutrientes;
  •         Situações altamente estressantes, seja fisicamente ou mentalmente.

O estresse afeta o fluxo sanguíneo e pode contribuir para a expansão/contração dos vasos sanguíneos que atingem a cabeça. Ansiedade pode causar dor, aumentando a inflamação e afetando os níveis hormonais;

  •         Exposição a ruídos altos;
  •         Exposição ao brilho do sol e outros estímulos de produção de luz (como olhar para uma tela de computador por muitas horas do dia, o que pode causar tensão ocular, além de dores de cabeça);
  •         Consumir alimentos ou bebidas que contribuem para a inflamação ou sensibilidade (como alimentos processados e cafeína);
  •         Desidratação;
  •         Gravidez. Algumas mulheres relatam que os ataques de enxaqueca começam durante a gravidez, vêm e vão dependendo do trimestre, e muitas vezes retornam durante o período pós-parto.

Tratamento Convencional para Enxaqueca

Os sintomas de enxaqueca são comumente administrados com medicamentos que ajudam a reduzir a dor e inflamação. As drogas utilizadas para controlar enxaquecas incluem (7):

>> Analgésicos, incluindo ibuprofeno e NSAIDs (não-esteróides anti-inflamatórios);

>> Anti-náuseas;

>> Medicamentos antiansiedade ou antidepressivos, incluindo beta-bloqueadores (usados para alterar os níveis de neurotransmissores);

>> Em alguns casos, medicamentos anti-convulsivos para controlar os sinais nervosos;

>> Às vezes, medicamentos para dormir.

Estes medicamentos são sempre necessários? Não, nem sempre.

Melhorar a sua dieta e hábitos de vida também beneficia a sua saúde e pode ajudar a tratar a enxaqueca.

Converse sempre com o seu médico antes de se medicar.

Tratamentos Naturais para Enxaqueca

Alguns tratamentos naturais ajudam a tratar e reduzir os sintomas da enxaqueca.

  1. Dieta Antiinflamatória

Uma dieta pobre em nutrientes, rica em alimentos processados e sódio, é um dos maiores gatilhos para fazer com que os sintomas de enxaqueca apareçam.

Os alimentos que podem piorar a dor de cabeça incluem açúcar, produtos de grãos refinados, produtos lácteos convencionais, vinho tinto, chocolate, alimentos com aditivos artificiais (como o edulcorante aspartame), intensificadores de sabor, altas quantidades de sódio, alimentos congelados ou processados (8).

Por outro lado, os alimentos que podem ajudar a prevenir ou tratar enxaquecas incluem alimentos ricos ômega-3 (como nozes e salmão), frutas e vegetais frescos, alimentos ricos em magnésio e proteínas.

  1. Gerir o Estresse e Dormir o Suficiente

Dormir muito ou muito pouco pode aumentar os sintomas de enxaqueca (9). O estresse também pode causar problemas de sono, tensão muscular e alterações no fluxo sanguíneo.

Faça um esforço para manter um horário regular de sono, exercício e alimentação saudável para manter o açúcar no sangue estável e os hormônios equilibradas ao longo do dia.

Separe um tempo do seu dia para aliviar o estresse, você pode recorrer à exercícios físicos, leitura, acupuntura, caminhar ao ar livre ou meditar.

Terapia comportamental cognitiva e outras formas de psicoterapia também podem ser úteis para lidar com dor crônica, pensamentos negativos e comportamentos destrutivos, que podem causar enxaqueca.

  1. Anote os Sintomas

Não sabe o que está causando seus sintomas de enxaqueca?

Pode ser sua dieta, deficiências de nutrientes (como a deficiência de magnésio), rotina de exercícios ou outros fatores.

Algumas pessoas acham muito útil manter um registro de seus sintomas junto com possíveis gatilhos, incluindo padrões alimentares, níveis de estresse, tempo e tipo de exercício realizado e quantidade de sono.

Isso pode ajudá-lo a criar conexões e reduzir os fatores que podem causar ataques de enxaqueca.

Anote:

Certos alimentos fazem suas enxaquecas piorar ou melhorar?

Você tem ataques após a exposição a ruídos altos?

Você pode estar sobrecarregando seus olhos com a exposição ao brilho do sol e outros estímulos artificiais produzindo luz?

A cafeína, álcool ou drogas desempenham algum papel na sua enxaqueca?

Você se sente melhor quando você dorme em posições diferentes? Por exemplo, dormir de costas ou de lado ajuda a reduzir os ataques?

Os sintomas são piores quando você não dormiu de sete a nove horas por noite?

A desidratação está envolvida em suas dores de cabeça?

Você observa sintomas agravados após mudanças climáticas, como temperaturas úmidas e aumento da pressão?

  1. Diminua Sua Exposição à Luz Artificial

Se você notar que as enxaquecas são disparadas pela exposição à luz azul omitida dos dispositivos eletrônicos, limite a quantidade de tempo que você gasta usando estes dispositivos.

Se a luz solar parece piorar as suas dores de cabeça, use óculos de sol quando estiver ao ar livre.

Estatísticas Sobre a Enxaqueca

Tenha em mente algumas estatísticas importantes sobre a enxaqueca:

>> Estimativas mostram que 6% a 18% da população adulta sofre de enxaquecas recorrentes (cerca de 6% dos homens e até 18% das mulheres).

>> As mulheres têm enxaqueca mais frequentemente; estudos mostram que mais de uma em cada quatro mulheres terá pelo menos um ataque de enxaqueca grave em algum momento de sua vida.

>> Aproximadamente 10% dos adolescentes experimentam enxaquecas frequentes, especialmente durante a época da puberdade quando experimentam alterações hormonais.

>> Pessoas entre 35 e 55 anos, pessoas com menor renda monetária e pessoas de pele clara têm riscos aumentados de sofrer com enxaquecas (10).

>> Os sintomas mais comuns de enxaquecas são dores de cabeça latejante, sensibilidade à luz e sensibilidade ao som, ocorrendo em 75% a 85% dos pacientes com enxaqueca.

>> Até 90% das pessoas precisam faltar ao trabalho ou eventos sociais durante os ataques de enxaqueca porque não conseguem “funcionar corretamente”.

Precauções Relacionadas à Enxaqueca

É importante ficar atento para a frequência e gravidade dos ataques de enxaqueca, uma vez que isso, às vezes, pode apontar para uma condição grave de saúde.

Fale com um profissional se as suas dores de cabeça de repente se agravar ou se notar algum dos seguintes sintomas pela primeira vez:

  •         Dores de cabeça que são súbitas e intensas;
  •         Pescoço duro, febre, confusão mental e dores de enxaqueca que ocorrem ao mesmo tempo;
  •         Dores de cabeça acompanhadas de convulsões leves, visão dupla ou desmaio;
  •         Dor de cabeça severa após um trauma ou uma lesão;
  •         Dores de cabeça que duram mais de vários dias e são inexplicáveis.

Enxaqueca é uma série extremamente dolorosa de sintomas neurológicos que causam dores de cabeça intensas, sensibilidade à luz e som, alterações de visão e, por vezes, perturbação digestiva.

Em comparação com outras dores de cabeça, enxaquecas causam dores mais recorrentes, geralmente apenas em um lado da cabeça.

As causas mais comuns de enxaquecas incluem inflamação, elevadas quantidades de estresse, deficiências nutricionais, dano nervoso, alterações hormonais e susceptibilidade genética.

Além de dolorosa, a enxaqueca pode prejudicar seriamente a sua qualidade de vida, fazendo com que você não consiga levar sua rotina normalmente. Se isso acontece com você, está na hora de mudar esse quadro.

Faça mudanças na sua alimentação e nos seus hábitos.

Caso o estresse excessivo esteja contribuindo para os ataques, procure meditar e reservar um momento do seu dia para fazer coisas que te acalmem e te deixem feliz.

E, claro, procure sempre orientação médica.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : causasdestaquedor de cabeçadr. juliano pimentelenxaquecasaúde

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta