close
ArtigosDores

Esteatose Hepática: Sintomas, Causas e Tratamento

Dr Juliano Pimentel

Conhecer os sintomas de gordura no fígado, é importante para prevenir problemas mais graves de saúde. O acúmulo de gordura no fígado é uma doença hepática, também conhecida como esteatose hepática, que se caracteriza pelo excesso de gordura no interior das células do fígado; uma glândula situada do lado direito do abdômen por onde circula uma grande quantidade de sangue.

O fígado possui normalmente pequenas quantidades de gordura, que compõe cerca de 10% do seu peso. Quando o percentual de gordura excede esse valor, estamos diante de um fígado que está acumulando gordura.

Ele exerce mais de 500 funções fundamentais para o nosso organismo. E o aumento de gordura dentro dos hepatócitos pode ocasionar uma inflamação capaz de evoluir para quadros graves de hepatite gordurosa, cirrose hepática e até mesmo câncer.

Nesses casos, o fígado não só aumenta de tamanho, como perde a coloração vermelho-escuro e adquire um aspecto amarelado.

A esteatose hepática é uma condição muito comum, que se manifesta também na infância e atinge com mais frequência as mulheres.

Para você ter ideia, a estimativa é de que 30% da população sofrem com o problema, e aproximadamente metade dos casos podem evoluir para formas mais graves da doença (1).

Veja agora as causas, sintomas, diagnóstico e tratamento da esteatose hepática.

Não deixe de ler e compartilhar.

Causas da Esteatose Hepática

gordura-no-figado-dr-juliano-pimentel-2
Esteatose Hepática: Bebidas alcoólicas e a má alimentação. Imagem: (Divulgação)

esteatose hepática pode ser classificada em duas categorias, alcoólica e não alcoólica.

Sobrepeso, diabetes, alimentação desregrada, perda brusca de peso, gravidez, hepatites virais, resistência à insulina, níveis elevados de mau colesterol, níveis elevados de estrogênio, cirurgias e sedentarismo são fatores de risco para o aparecimento da esteatose hepática gordurosa não alcoólica (2).

Indícios mostram que a Síndrome Metabólica e a obesidade abdominal (gordura visceral) estão diretamente associadas ao excesso de células gordurosas no fígado.

Há ainda um número bem menor de casos em pessoas magras, que não ingerem bebidas alcoólicas, sem alterações de colesterol e glicemia, que desenvolvem casos de esteatose hepática gordurosa (3).

Mas esses casos são menos frequentes, pois mais de 70% dos pacientes com esteatose são obesos. E atenção, quanto maior for o sobrepeso, maior o risco!

Esteatose Hepática é Perigosa?

Esteatose Hepática
Esteatose Hepática e a Obesidade. Imagem: (Divulgação)

Esteatose hepática é uma doença benigna. No entanto, se não for tratada corretamente, pode resultar em condições mais graves a longo prazo.

No fígado são armazenados os ácidos graxos e os triglicerídeos, que fazem com que este órgão fique doente. Ele “entra em colapso”, e já não é capaz de realizar suas funções de metabolização e depuração de substâncias tóxicas com a mesma eficácia de antes.

Quando existe o excesso de gordura no fígado, ele sofre pequenas feridas constantes, que tenta reparar. Aparecem algumas cicatrizes, pequenas lesões permanentes que são conhecidas como cirrose (4).

Nos quadros leves de esteatose hepática, a doença é assintomática (não possui sintomas), com evolução lenta e gradual.

Os sintomas aparecem quando a doença se complica. Inicialmente, as queixas mais comuns são de dores, cansaço, fraqueza, perda de apetite e aumento do fígado.

Nos casos mais avançados de gordura no fígado, caracterizados por inflamação e fibrose que resultam em insuficiência hepática; os sintomas mais frequentes são acúmulo anormal de líquido dentro da cavidade abdominal, confusão mental, hemorragias, queda no número de plaquetas, aranhas vasculares, icterícia (coloração amarela da pele e dos olhos).

Outros sintomas são: boca seca, dores abdominais na zona superior direita e sensação de indisposição após uma refeição rica em gorduras.

Diagnóstico

Por não possuir sintomas em sua fase inicial, a esteatose hepática é frequentemente descoberta através de ultrassonografia abdominal de rotina, ou na investigação de alteração de exames laboratoriais relativos ao fígado.

O médico pode suspeitar de que há o excesso de gordura no fígado pela histórico clínico, através de exames físicos, com detecção de aumento do fígado, ou por aumento da sua circunferência abdominal.

Quando o ultrassom ou tomografia mostram esteatose hepática, é preciso fazer exames complementares para avaliar se há ou não a presença de inflamação.

Na ultrassonografia é possível ver bem a gordura, mas não é possível descartar ou confirmar a presença de inflamação no fígado, nem saber o grau da lesão causada pela doença.

A confirmação do diagnóstico de esteatose é feito através da biopsia do fígado, com a retirada de uma amostra para estudo. Somente a biopsia pode revelar com exatidão se há ou não o acúmulo de gordura nas células hepáticas.

Como tratar a Gordura no Fígado?

gordura-no-figado-dr-juliano-pimentel-5
Esteatose Hepática: Coma mais alimentos com fibra e saudável. Imagem: (Divulgação)

Não existe um tratamento específico para o fígado com excesso de gordura. Mas a boa notícia é que se trata de uma doença reversível!

A maneira de tratar a esteatose é determinada de acordo com as causas da doença e segue basicamente três pilares: estilo de vida saudável, alimentação equilibrada e prática regular de exercícios físicos.

São mais raros os casos em que é necessário também utilizar medicação, mas o acompanhamento médico regular é fundamental.

A medida mais eficaz para controlar a gordura no fígado é a perda de peso.

Uma redução de 7% no peso corporal pode trazer bons resultados no combate à doença. Porém, é recomendado que a perda de peso seja de forma gradual, pois perdas muito rápidas podem agravar a esteatose.

Se a origem do excesso de gordura no fígado tem a ver com a obesidade e com uma alimentação ruim, a reeducação alimentar é necessária, rica em fibras, gordura saudável, entre outros nutrientes. 

Quando a doença é causada pelo consumo excessivo de álcool, o tratamento envolve deixar de consumir esse tipo de bebidas.

Se a gordura no fígado for motivada por outras doenças, como a diabetes, é preciso tratá-la corretamente para que não causem mais problemas colaterais no fígado.

Recomendações

Algumas medidas são importantes para prevenir o acúmulo de gordura no fígado, ou para reverter o quadro:

  1. Preste atenção à circunferência abdominal, que não deve ultrapassar 88 cm nas mulheres e 102 cm nos homens;
  2. Procure manter o peso dentro dos padrões ideais para sua altura e idade;
  3. Evite ou diminua a quantidade de bebida alcoólica;
  4. Beba bastante água;
  5. Evite ou diminua o consumo dos carboidratos refinados e de gorduras saturadas. Substitua esses alimentos por azeite de oliva, peixes, frutas, verduras e uma alimentação de verdade;
  6. Pratique atividades físicas ou esportes.

A presença em excesso de gordura no fígado é um risco para a saúde que, se não for tratado adequadamente, pode gerar problemas mais graves. Tenha em mente todos os sintomas citados acima e consulte o médico.

Para saber mais sobre a Gordura no Fígado- causas, sintomas e Tratamento, não perca o meu vídeo explicativo.

Dê o PLAY abaixo e saiba como evitar essa doença!

Gordura no Fígado – Causas, Sintomas e Tratamento _ Dr. Juliano Pimentel

E se o seu objetivo é transformar a sua saúde de forma efetiva, eu tenho um convite para você!

Eu trago a revolução da saúde, um projeto que pretende mudar a cara da alimentação e da saúde de todos!

Eu desenvolvi um e-book para ajudar você a fazer essa transformação, com todas as informações que você precisa e um guia passo a passo para implementar na sua vida.

Tenha Acesso Aos Bônus Exclusivos.

Clique na imagem abaixo e adquira agora o meu livro digital:

VIVA MELHOR SEM GLÚTEN V 2.0

Ebook Viva Sem Glúten, Dr. Juliano Pimentel

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

BAIXE AGORA O MEU GUIA COM OS
10 MELHORES CHÁS PARA EMAGRECER!

[/vc_column_text]

[/vc_column][/vc_row]

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : assintomáticabebida alcoólicabiopsia do fígadocirrosecirrose hepáticadestaquediabetesdiagnósticodoença hepáticadores abdominaisdr. juliano pimentelesteatose hepáticaesteatose hepática gordurosaesteatose hepática gordurosa não alcoólicaestrogênioexcesso de gordura no fígadofibrosefígadofunções de metabolizaçãogorduragordura no fígadogorduras saturadashemorragiashepatite gordurosahepatites viraisicterícialtrassonografia abdominal de rotinamau colesterolPerda de apetiteperda de pesosaúdesedentarismotriglicerídeos

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

1 Comentário

Enviar Resposta