close
farinha1

Farinha sem carboidrato, quais são os tipos?

Quando se fala em dieta low carb as pessoas sempre se desesperam, achando que só poderão comer frutas e vegetais.

Mas não é bem assim! Isso porque, algumas farinhas derivadas de sementes e frutas, são muito nutritivas e possuem baixo carboidrato.

Gostou do tema deste artigo?

Leia, comente e compartilhe!

Ah, e insira na sua alimentação farinha sem carboidrato

Porque usar farinhas sem carboidrato

Uma dieta focada na restrição de carboidratos tem mostrado ajudar as pessoas com diabetes a controlar seus níveis de glicose no sangue.

Existe uma série de alternativas deliciosas para as opções de carboidratos, como milho e farinha de arroz com maior teor de carboidratos, por exemplo.

Substituindo o açúcar e as farinhas mais tradicionais, você terá várias farinhas de baixo teor de carboidratos. Substitutos de farinha que reduzem sua ingestão de carboidratos, mas ainda assim têm um ótimo sabor.

Tipos de farinha sem carboidrato

Felizmente, a introdução de receitas de panificação sem glúten e keto usam alternativas de farinha de baixo carboidrato.

Alimentos com alto teor de gordura e baixo teor de carboidratos, como amêndoas, sementes de linhaça e cocos, são transformados em farinha para preparar guloseimas com pouco carboidrato.

1 – Farinha sem carboidrato – Farinha de amêndoa

Farinha de amêndoa é feita a partir de amêndoas moídas.

A Farinha de amêndoa é melhor para o seu açúcar no sangue.

Farinha sem carboidrato
Farinha sem carboidrato de amêndoa

Alimentos feitos com trigo refinado são ricos em carboidratos, mas pobres em gordura e fibras.

Isso pode causar altos picos nos níveis de açúcar no sangue. Seguidos por quedas rápidas, que podem deixá-lo cansado, com fome e com desejo por alimentos ricos em açúcar e calorias.

Por outro lado, a farinha de amêndoa é baixa em carboidratos, mas rica em gorduras e fibras saudáveis (1, 2, 3, 4, 5).

Além do mais, a farinha de amêndoa é sem glúten.

Farinhas de trigo contêm uma proteína chamada glúten. Ele ajuda a massa a ficar esticada e a capturar o ar durante o cozimento, de modo que ele se levante e fique fofo.

As pessoas que têm doença celíaca ou intolerância ao trigo, por exemplo, não podem ingerir alimentos com glúten. Isso porque, o corpo delas o considera prejudicial.

A farinha de amêndoa é uma opção sem carboidrato, porém com níveis de gordura.

2 – Farinha de coco

A farinha de coco é feita a partir de carne de coco desidratada e oferece um sabor suave de coco.

Sua textura leve produz resultados semelhantes aos da farinha regular e é boa para fazer pães e sobremesas. Note que a farinha de coco absorve muito mais água do que a farinha normal ou de amêndoa.

É rico em ácido láurico gordo saturado. Esse triglicerídeo de cadeia média pode fornecer energia para o seu corpo. Além disso, pode ajudar a reduzir o colesterol LDL “ruim” em combinação com o teor de fibra da farinha (6, 7).

Pesquisas sugerem que seu conteúdo de fibras pode ajudar a manter os níveis saudáveis ​​de açúcar no sangue.  Já que isso, não faz com que eles se espiem (8).

A farinha de coco, por exemplo, é uma boa opção para quem tem alergias a nozes e glúten. Além disso, pode estar contaminado na fase de processamento, por isso não deixe de ver onde a farinha foi produzida.

Ajuda a manter níveis saudáveis ​​de açúcar no sangue

A farinha de coco é mais baixa em carboidratos do que outras farinhas comuns, como trigo e milho. Por isso, é uma escolha melhor para diabéticos. Além do mais, é ideal para outras pessoas que procuram manter um açúcar no sangue saudável.

Ao contrário das farinhas com alto teor de carboidratos, porém, a farinha derivada do coco tem um efeito muito mais moderado nos níveis de açúcar no sangue.

Além disso, ela vem com todas as fibras, gorduras e proteínas benéficas, tornando-a uma farinha muito equilibrada. Além do mais, pode ajudá-lo a se sentir mais cheio e a diminuir a probabilidade de comer demais.

Nutrição de farinha de coco certamente tem benefícios de saúde para pessoas com diabetes. E também, para aqueles que estão trabalhando para alcançar um peso saudável também.

Pode ajudar a diminuir o colesterol ruim

Com seu alto teor de fibra, essa farinha também é uma ótima opção para melhorar a saúde do coração. Estudos mostram que a farinha de coco, por exemplo, tem a capacidade de ajudar a reduzir os níveis “ruins” de colesterol LDL.

Farinha sem carboidrato de coco
Farinha sem carboidrato de coco

Assim como, os triglicerídeos séricos em pessoas que aumentaram os níveis de colesterol.

Aumenta a saúde do coração

Como uma rica fonte de fibras, que ajuda a reduzir o colesterol ruim e triglicérides. Além disso, a farinha de coco também é conhecida por impulsionar a saúde do coração.

De fato, a pesquisa liga a alta ingestão de fibra dietética com um risco reduzido de desenvolver doença coronariana, bem como morrer da doença (9).

A farinha de coco contém baixas quantidades de carboidrato. Por isso, está na lista de low carb.

3 – Farinha de linhaça

Sementes de linhaça são uma fonte rica de lignanas, que podem reduzir o risco de câncer

Os lignanos são compostos de plantas que possuem propriedades antioxidantes e estrogênicas, os quais podem ajudar a diminuir o risco de câncer e melhorar a saúde (10).

Curiosamente, as sementes de linho contêm até 800 vezes mais lignanas do que outros alimentos vegetais (11).

Estudos observacionais mostram que aqueles que consomem sementes de linho têm menor risco de câncer de mama. Particularmente mulheres na pós-menopausa (12).

Além disso, de acordo com um estudo canadense envolvendo mais de 6.000 mulheres, aquelas que comem sementes de linho têm 18% menos chances de desenvolver câncer de mama (13).

No entanto, os homens também podem se beneficiar da ingestão de sementes de linho.

As sementes de linho são ricas em fibras dietéticas

Apenas uma colher de sopa de sementes de linho contém 3 gramas de fibras. O que corresponde a 8% a 12% da ingestão diária recomendada para homens e mulheres, respectivamente (14).

Além disso, as sementes de linho contém dois tipos de fibra alimentar. A solúvel (20% a 40%) e insolúvel (60% a 80%).

Ou seja, este duo de fibra é fermentado pelas bactérias no intestino grosso, aumenta as fezes e resulta em movimentos intestinais mais regulares.

Por um lado, a fibra solúvel aumenta a consistência do conteúdo do intestino. Além disso, diminui a taxa de digestão. Isto foi mostrado para ajudar a regular o açúcar no sangue e diminuir o colesterol (15).

Sementes de linho podem melhorar o colesterol

Outro benefício para a saúde das sementes de linho é a sua capacidade de reduzir os níveis de colesterol.

Em um estudo em pessoas com colesterol alto, consumir 3 colheres de sopa (30 gramas) de pó de linhaça diariamente por três meses reduziu o colesterol total em 17% e o colesterol LDL “ruim” em quase 20% (16).

Outro estudo de pessoas com diabetes descobriu que tomar 1 colher de sopa, 10 gramas, de pó de linhaça diariamente por um mês resultou em um aumento de 12% no colesterol HDL “bom” (17).

Em mulheres na pós-menopausa, por exemplo, o ideal é consumir 30 gramas de sementes de linho diariamente. Essa quantia reduziu o colesterol total e o colesterol LDL em aproximadamente 7% e 10%, respectivamente (18).

Além dessas você pode usar ainda. Farinha de maracujá, farinha de frango, farinha de berinjela, farinha de caju.

Além disso, é importante lembrar que, farinha de tapioca, farinha de grão de bico, farinha de aveia e farinha de banana não são low carb.

Junto com a alimentação de baixo carboidrato, insira o hábito de tomar chás. Tenho uma seleção de melhores chás termogênicos. Confira.  

Farinha sem carboidrato e Chás para emagrecer
Farinha sem carboidrato e Chás para emagrecer

Abraço e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : alimentaçãoalimentos low carbcarboidratocarboidratosdieta low carbdr. juliano pimentelfarinha de amêndoafarinha de cocofarinha de linhaçafarinha sem carboidratolow carbsaúde

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta