close
ArtigosDores

Obesidade: Perigos Para a Saúde e Como Prevenir

A obesidade afeta crianças, adultos e jovens. Somente no Brasil, ela atinge cerca de 20% da população adulta e 2 milhões de crianças.

Além disso, quem sofre com a obesidade, tem mais chances de desenvolver problemas crônicos de saúde.

Mas afinal, o que é a obesidade e como afeta a sua vida? Ela pode ser um fator decisivo no desenvolvimento de problemas sérios de saúde; afetar a autoestima e  prejudicar os planos futuros.

Nesse artigo explicarei o que é obesidade.

Leia, comenta e compartilhe essa informação! 🙂

Obesidade: O que é

Obesidade e o Organismo. Imagem: (Divulgação)

Quando você consome calorias em excesso sem gastá-la, corre o risco de desenvolver a obesidade.

A obesidade nada mais que o excesso de tecido adiposo. Uma célula adiposa é uma célula endócrina, e o tecido adiposo é um órgão endócrino.

O tecido adiposo secreta uma série de produtos, incluindo metabólitos, citoquinas, lipídios, fatores de coagulação, entre outros.

O excesso de adiposidade ou obesidade causa o aumentos dos níveis de ácidos graxos circulantes e inflamação, a inflamação nunca vai ser um aspecto positivo para a saúde.

A biologia da ingestão de alimentos é muito complexa; envolve o olfato, sabor, textura, temperatura, respostas cognitivas e emocionais e informações metabólicas, que sinalizam o cérebro sobre a fome e a saciedade.

Os hormônios leptina e grelina possuem um importante papel no consumo de alimentos, e na prevenção da obesidade (1).

A obesidade é um sinal que o seu organismo não está funcionando adequadamente; em consequência, quem sofre com ela pode desenvolver:

  • Diabetes tipo 2, colesterol altohipertensão, cálculos biliares, doenças cardíacas, doença hepática gordurosa, apneia do sono, incontinência de estresse, insuficiência cardíaca, doença articular degenerativa, defeitos congênitos, abortos espontâneos, asma e outras condições respiratórias, numerosos tipos de câncer e muito mais!

Como Identificar a Obesidade

O cálculo de Índice de Massa Corporal (IMC) identifica a quantidade de gordura corporal em relação à altura do indivíduo.

Com isso, é possível identificar as chances do desenvolvimento de doenças, relacionadas ao excesso de gordura corporal.

– Um adulto com IMC entre 25 e 29,9 é considerado com sobrepeso.
– Um adulto com IMC de 30 ou superior é considerado obeso.

No entanto, o mais correto é recorrer ao médico para verificar como está o seu IMC.

Além disso, a circunferência da cintura, é outra medida para determinar o teor de gordura abdominal. O excesso de gordura abdominal, quando não é proporcional à gordura corporal total, é considerado um fator de risco relacionado à obesidade.

E o que causa a obesidade?

Como principal causador de obesidade está o estilo de vida.

Além disso, existem algumas situações que podem proporcionar a predisposição para a obesidade, como: desequilíbrio hormonal, estresse, genética, toxinas ou o efeito colateral de medicamentos.

Obesidade e os Alimentos Prejudiciais. Imagem: (Divulgação)

 

  • Comer alimentos processados ​​ou industrializados (ricos em gorduras prejudiciais e açúcar);
  • Bebidas industrializadas e álcool, que são ricos em calorias;
  • Comer em restaurantes e fast foods pode acarretar no consumo de alimentos ricos em gorduras industrializadas, açúcar refinado, conservantes, glúten e sódio em excesso;
  • Sedentarismo.

Os hábitos alimentares pouco saudáveis ​​passam dos pais para os filhos, não só pela hereditariedade mas também pela influência da má alimentação e sedentarismo.

Além do mais, a falta de atividade física é um fator importante relacionado à obesidade. Trabalhar durante longos períodos sentado, andar somente de carro ao invés de caminhar ou andar de bicicleta, por exemplo, podem influenciar no excesso de peso.

Estudos mostram que o sedentarismo é uma das principais causas da obesidade. Isso porque, a pessoa que é sedentária e gasta menos energia do que consome nos alimentos, aumenta as chances do acúmulo de gordura no organismo.

O recomendável é que os adultos façam pelo menos 150 minutos (duas horas e meia) de atividade aeróbica de intensidade moderada, como ciclismo ou caminhada rápida, por exemplo, todas as semanas.

Isso não precisa ser feito de uma só vez, mas pode ser dividido em períodos menores. Por exemplo, você pode se exercitar durante 30 minutos por dia durante cinco dias por semana.

Alimentos que Causam Obesidade

  • Açúcar refinado; alimento industrializado e processados, como a comida de fast food, por exemplo. Glúten e grãos refinados, bebidas açucaradas como energéticos, refrigerante e suco de caixinha, gorduras trans e hidrogenadas

Por isso, se você está acima do peso, a primeira dica é: faça boas substituições! Confira a lista de alimentos que você deve consumir!

Alimentos Saudáveis

Lembrando que, essas dicas não excluem a importância da visita médica regular.

Mas se você quer mesmo emagrecer e ter mais saúde?

Então precisa decidir e persistir na mudança alimentar e dos seus hábitos. Faça diferente para ter resultados diferentes!

Depende de você, mudar a sua realidade.

Você acredita que é possível mudar seus resultados?

Se você acredita, clique aqui, e saiba como ter uma VIDA PLENA!

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

🔴 Curta também as redes sociais! 📷Instagram / 👍Facebook / 🎥 YouTube

 

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : açúcaralimentos industrializadoscélula adiposacolesterol altoconsumo de caloriasdiabetes tipo 2dieta low carbdisposiçãodoença hepática gordurosadr. juliano pimentele-bookexcesso de gordura abdominalexcesso de pesofast foodsglútengorduragordura abdominalgordura corporalGrelinaIMCÍndice de Massa Corporalinfânciainflamaçãolivro digitalmassa corporalobesidadeObesidade eobesopesopeso corporalproblemas crônicos de saúderesistência à insulinaRevolução da Saúdesaúdesobrepesotecido adiposo

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

3 Comentários

Enviar Resposta