close
Dores

Síndrome do Pânico: Causa, Sintomas e Tratamentos

Dr Juliano Pimentel

Transtorno do pânico, mais conhecido como síndrome do pânico, é um tipo de transtorno de ansiedade. Pessoas com essa condição podem ficar ansiosas na medida em que seus sentimentos interferem na vida diária.

Embora a maioria das pessoas tenha sofrido um ataque de pânico causado por eventos ou situações específicas, os ataques do transtorno de pânico geralmente se desenvolvem repentinamente e sem motivo aparente.

O distúrbio pode aparecer em qualquer idade, mas geralmente aparece em adultos jovens. Em particular, as mulheres são duas vezes mais propensas que os homens a desenvolver a doença, de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental (1).

O risco de desenvolver um transtorno de pânico aumenta se houver histórico familiar de ataques ou distúrbios de pânico, histórico de abuso, experiência de um evento traumático, experiência de altos níveis de estresse e a necessidade de se adaptar a mudanças significativas.

Transtorno do pânico é caracterizado por medo persistente de ter outro ataque de pânico.

Mesmo que os sintomas deste distúrbio possam ser bastante avassaladores e assustadores, eles podem ser tratados e melhorados com o tratamento.

Buscar tratamento é a parte mais importante de reduzir os sintomas e melhorar sua qualidade de vida.

Não deixe de ler e compartilhar!

Causas

A causa exata da síndrome do pânico não é totalmente compreendida. No entanto, os pesquisadores acreditam que o transtorno do pânico pode ser devido a desequilíbrios químicos no cérebro.

O transtorno do pânico também tende a ocorrer nas famílias, portanto, é provável que haja uma forte conexão genética. Estresse excessivo e trauma também podem estar ligados ao desenvolvimento de transtorno do pânico.

Certas condições médicas, como uma tireóide hiperativa (isto é, hipertiroidismo) e certos problemas cardíacos, podem ter os mesmos sintomas que os ataques de pânico.

Se você está tendo ataques de pânico, você também deve ser examinado para outras condições médicas (2).

Coisas que podem desencadear um ataque de pânico incluem:

  • Beber grandes quantidades de álcool
  • Beber quantidades excessivas de cafeína (por exemplo, café, chá, colas)
  • Tomar estimulantes ou cocaína
  • Tomar ou de repente parar de tomar certos medicamentos de prescrição

Sinais de ataque de pânico e sintomas

Náuseas são um dos sintomas da síndrome do pânico 

Os sinais e sintomas de um ataque de pânico desenvolvem-se abruptamente e geralmente atingem o pico em 10 minutos (2).

Eles raramente duram mais de uma hora, com a maioria terminando em 20 a 30 minutos.

Ataques de pânico podem acontecer em qualquer lugar e a qualquer momento.

Você pode ter um enquanto está em uma loja, andando pela rua, dirigindo seu carro ou até mesmo sentado no sofá em casa.

Ataques de pânico ocorrem com o aparecimento repentino ou ocorrência de pelo menos 4 dos seguintes sintomas

  • Falta de ar ou hiperventilação
  • Palpitações cardíacas ou coração de corrida
  • Dor no peito ou desconforto
  • Sensação de asfixia
  • Sentindo-se irreal ou separado de seu entorno
  • Suor
  • Náusea ou dor de estômago
  • Sentindo-se tonto ou fraco
  • Sensação de dormência ou formigamento
  • Flashes quentes ou frios
  • Dormência ou formigamento
  • Medo de morrer, perder o controle ou enlouquecer

Se você tiver sintomas de um ataque de pânico, você pode procurar atendimento médico de emergência. A maioria das pessoas que experimentam um ataque de pânico pela primeira vez acreditam que estão tendo um ataque cardíaco.

Enquanto no departamento de emergência, o provedor de emergência irá realizar vários testes para ver se seus sintomas são causados ​​por um ataque cardíaco.

Eles podem executar exames de sangue para descartar outras condições que podem causar sintomas semelhantes ou um eletrocardiograma para verificar a função cardíaca.

Tratamento

A forma mais eficaz de tratamento profissional para combater ataques de pânico, transtorno do pânico e agorafobia é a terapia. Até mesmo um curto período de tratamento pode ajudar (3).

A terapia comportamental cognitiva

Concentra-se nos padrões de pensamento e comportamentos que sustentam ou desencadeiam seus ataques de pânico e ajuda você a analisar seus medos de uma forma mais realista.

A terapia de exposição para transtorno de pânico

Permite que você experimente as sensações físicas de pânico em um ambiente seguro e controlado, dando-lhe a oportunidade de aprender maneiras mais saudáveis ​​de lidar com o problema (4).

Você pode ser solicitado a sacudir a cabeça de um lado para o outro ou prender a respiração. Estes diferentes exercícios causam sensações semelhantes aos sintomas do pânico.

Com cada exposição, você fica menos receoso dessas sensações corporais internas e sente um maior senso de controle sobre seu pânico.

A terapia de exposição para transtorno do pânico com agorafobia

Inclui a exposição às situações que você teme e evita também está incluída no tratamento.

Como na terapia de exposição para fobias específicas, você enfrenta a situação temida até que o pânico comece a desaparecer (5).

Através desta experiência, você aprende que a situação não é prejudicial e que você tem controle sobre suas emoções.

O tratamento do transtorno de pânico geralmente envolve uma combinação de medicamentos e terapia comportamental ou cognitiva.

Os objetivos do tratamento são reduzir o número e a frequência dos ataques de pânico e melhorar sua qualidade de vida.

Os medicamentos mais utilizados para o tratamento do transtorno do pânico incluem:

  • inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs), como a paroxetina
  • inibidores da recaptação da norepinefrina da serotonina (SNRIs), como a venlafaxina
  • antidepressivos tricíclicos (TCAs), como a imipramina
  • inibidores da monoamina oxidase (IMAOs) tais como a fenelzina
  • medicamentos anti-ansiedade, incluindo benzodiazepínicos, como o lorazepam

Transtorno do pânico é muitas vezes uma condição crônica (longo prazo) que pode ser difícil de tratar. Algumas pessoas com esse distúrbio não respondem bem ao tratamento.

Outros podem ter períodos em que não apresentam sintomas e períodos em que os sintomas são bastante intensos.

A maioria das pessoas com transtorno do pânico experimentará algum alívio dos sintomas através do tratamento.

Existe prevenção?

Pode não ser possível prevenir o transtorno do pânico. No entanto, você pode trabalhar para reduzir seus sintomas, evitando álcool e estimulantes, como a cafeína, bem como drogas ilícitas (6).

Também é útil notar se você está experimentando sintomas de ansiedade após um evento de vida angustiante.

Se você está incomodado com algo que você experimentou ou a quem foi exposto, discuta sobre isso, exponha seus medos, angústias e já inicie um acompanhamento com terapia.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:

Você pode Gostar

Tags : ataque de pânicodestaquedr. juliano pimentelsaúdesíndrome do pânicosintomastranstorno do pânicotratamentovsg

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta