close
Fitness

Treino de Musculação: Como Dosar a Intensidade

Você que pratica treino de musculação precisa prestar mais atenção à alguns fatores. Um deles é a intensidade dos treino, para não causar lesões e ainda assim proporcionar bons resultados.

Para que você não atinja o efeito platô no ganho de músculo, a intensidade do exercício deve ser ajustada à cada treino.

Essa necessidade de ajuste é devido à existência de vários fatores que interferem na produção de força: descanso prévio, adaptação, estado alimentar, nível de estresse, dentre outros.

Não deixe de ler e compartilhar!

Treino de Musculação e a Intensidade

No mundo da musculação o termo intensidade é frequentemente usado, mas é importante entender o seu significado.

Envolve força, trabalho, poder interno e mente, e não somente treinos constantes.

Outro ponto importante é aplicar a intensidade de acordo com a sua realidade.

Vou dar um exemplo comum para deixar claro: se você por algum motivo não dormiu bem e fará um treino neste dia, sua produção de força estará comprometida, levando a um novo ajuste de carga.

Outro fator que atrapalha o ajuste de intensidade é trabalhar com um número de repetições específico (8,10,12 rep), o que nos leva a subestimar a carga de treino (1).

O ideal é estipular uma faixa de repetições (7-11; 11-15 rep), levando o indivíduo a dar o máximo para alcançar esse objetivo. Se no seu treino estiver programado 12 repetições.

A tendência natural é que quando atingir o número estipulado parar a série, mesmo se conseguir realizar mais repetições.

Quando estipulamos uma faixa de repetições, você tende a dar o seu máximo.

Para adequar a carga basta você realizar o número previsto de repetições do exercício, caso consiga realizar com a carga pré-estabelecida pelo menos duas repetições extras (sem auxílio) isto significa que sua carga esta baixa e deve ser aumentada.

Caso não consiga realizar o numero de repetições previstas no exercício você deverá reduzir a carga.

Inicie sempre, para estabelecer sua carga ideal, com carga baixa e vá evoluindo conforme as séries (2).

Para facilitar a metodologia do treinamento podemos estipular dois tipos de estímulos, conforme a via principal a ser atingida: tensionais e metabólicos.

Os estímulos tensionais são os que promovem hipertrofia pelo estímulo mecânico.

Este método caracteriza-se basicamente pela utilização de cargas, e amplitudes de movimentos altas durante o treinamento (5-11 rep).

Os estímulos metabólicos são os que promovem hipertrofia, principalmente, pela alteração nas condições metabólicas locais.

A vantagem deste método é não expor as articulações a grandes cargas (11-19 rep).

Não há como determinar qual dos métodos seja mais eficiente, a recomendação é variá-los para garantir resultados seguros e contínuos.

Quando impomos ao nosso corpo um determinado tipo de estresse contínuo, deixamos nosso sistema menos sensível, o que nos leva a menos hipertrofia.

Procure um bom profissional para planejar seu treino de maneira segura e eficiente.

Mantenha-se hidratado e beba água, e lembre-se de manter uma boa alimentação, com produtos ricos em minerais, fibras e nutrientes.

Assim você pratica os seus treinos com saúde e responsabilidade com você mesma.

Consulte sempre um médico.

Bons treinos!

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:

Você pode Gostar

Tags : academiaarticulaçõesCarol Pimenteldr. juliano pimentele-bookEfeito Platôfibrasfitnessganho de músculoGostosuras Low Carbhipertrofiaintensidade do treinolow carbmédicomineraismusculaçãonível de estresseprofissionalsaúdetreinamentotreino

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta