close
Metabolismo

Microbioma Intestinal: Como ajuda a fortalecer a Imunidade

Milhares de organismos microbianos que habitam normalmente os intestinos grossos e delgado, são saudáveis e essenciais para sua saúde: este é o seu microbioma.

Na verdade, as bactérias formam o nosso microbioma, um ecossistema interno integral que beneficia a nossa saúde intestinal e o sistema imunológico.  

Portanto, as bactérias possuem um papel importante para promover um sistema imunológico forte e nos manter saudáveis.

Nesse artigo explicarei qual o papel da microbina intestinal para a sua saúde.  

Não deixe de ler e compartilhar!

Microbioma Intestinal

Cada um de nós tem um complexo interno de bactérias no organismo, que chamamos de microbioma.

“Micro” significa pequeno, e “bioma” significa um habitat de seres vivos.

Receitas para ter vitalidade

O microbioma é definido como “comunidade de micróbios”, e a grande maioria das espécies bacterianas que compõem nosso microbioma vivem no sistema digestivo. (1)

De acordo com o Departamento de Química e Bioquímica da Universidade do Colorado, a microbiota humana consiste em 10 a 100 trilhões de células microbianas simbióticas albergadas por pessoa, principalmente bactérias intestinais. (2)

O “microbioma” humano consiste nos genes que essas células possuem.

Elas ajudam a determinar o DNA exclusivo, fatores hereditários, predisposição a doenças, tipo corporal e muito mais (3)

O microbioma é diferente de outros órgãos, pois não está localizado apenas em um local e não é muito grande; além de ter papéis de grande alcance que estão ligados a funções corporais diferentes.

Alguns pesquisadores disseram que até 90% de todas as doenças, podem ser rastreadas de alguma forma de volta ao intestino e à saúde do microbioma.

Ela é o lar de trilhões de micróbios, bactérias e diversos organismos que ajudam a governar quase todas as funções do corpo humano, de alguma forma.

A má saúde intestinal pode contribuir para a Síndrome do Intestino Permeável e doenças autoimunes, como artrite, demência, doenças cardíacas e câncer.

Ao longo da vida, ajudamos a moldar nossos próprios microbiomas – além de se adaptarem às mudanças em nosso ambiente.

Por exemplo, os alimentos que você come, como você dorme, a quantidade de bactérias que você está exposto diariamente e o seu nível de estresse, ajudam a estabelecer o estado da sua microbiota.

Doenças

A má saúde intestinal está ligada a dezenas de doenças, especialmente:

  • Doenças autoimunes (artrite, doença inflamatória intestinal, doença de Hashimoto, etc.):

Os distúrbios autoimunes se desenvolvem quando o sistema imunológico diminui, e ataca o próprio tecido saudável do organismo. A inflamação e essas reações decorrem principalmente de um sistema imune hiperativo e da uma má saúde intestinal.

  • Distúrbios cerebrais/declínio cognitivo (Alzheimer, demência, etc.):

A inflamação está altamente correlacionada com o declínio cognitivo, enquanto um estilo de vida anti-inflamatório mostrou que leva a uma melhor retenção de memória, longevidade e saúde cerebral.

Existem múltiplos caminhos neuroquímicos e neuro-metabólicos entre o sistema nervoso central/cérebro e microbioma/trato digestivo; que enviam sinais uns aos outros, afetando nossa memória, padrões de pensamento e raciocínio. (4)

  • Câncer

Muitos estudos mostraram um vínculo entre a saúde intestinal e uma melhor proteção contra o dano dos radicais livres, que causa câncer cerebral, mama, cólon, pancreático, próstata e estômago.

Os micróbios influenciam nossos genes, o que significa que eles podem promover inflamação e crescimento tumoral; ou mesmo aumentar a função imune e atuar como um tratamento natural contra o câncer. (5)

  • Fadiga e dor nas articulações 

Certas bactérias dentro dos nossos tratamentos digestivos contribuem para a deterioração das articulações e tecidos.

Uma pesquisa mostrou que um ambiente intestinal mais saudável, ajuda a reduzir o risco de dores nas articulações, inchaço e problemas para se mover; principalmente em pessoas com osteoartrite e articulações inflamadas. (6)

  • Transtornos de humor (depressão, ansiedade) 

Você já ouviu falar da “conexão intestinal-cerebral”?

A sua dieta afeta a atividade de microbioma e neurotransmissora,  afetando também como você se sente, sua capacidade de lidar com o estresse e seus níveis de energia. (7

  • Perturbações de aprendizagem (TDAH, autismo)

Nossos corpos são sistemas interligados, e tudo o que colocamos, expomos a eles, afeta-os. Seu crescimento, desenvolvimento e capacidades mentais, também são afetados.

Receitas para ter vitalidade

O TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), e outras dificuldades de aprendizagem foram ligados à má saúde intestinal, especialmente em bebês e crianças. (8)

  • Alergias, asma e sensibilidades 

Certas bactérias benéficas diminuem a inflamação; o que diminui a gravidade das reações alérgicas, alergias alimentares, asma ou infecções do trato respiratório. (9)

Isso significa uma defesa mais forte contra alergias sazonais ou alergias alimentares, além de alívio da tosse, resfriado, gripe ou dor de garganta.

Uma dieta anti-inflamatória ajuda a prevenir a suscetibilidade à síndrome do intestino gotejante; além de ajudar a eliminar a fleuma ou mucos nasais ou nos pulmões, o que facilita a respiração.

Um microbioma forte

Quer saber como você pode contribuir para fortalecer a microbioma?  

  1. Evite os antibióticos

Os antibióticos podem eliminar as bactérias boas do organismo, o que significa que eles podem diminuir a função imunológica e aumentar o risco de infecções, alergias e doenças durante esse tempo.

Ao longo do tempo, bactérias perigosas podem se tornar resistentes aos antibióticos, tornando as infecções graves e mais difíceis de lutar. (10)

Antes de tomar antibióticos ou entregá-los a seus filhos, fale com o seu médico sobre opções alternativas.

  1. Baixar a tensão e mais exercícios

O estresse dificulta a função imunológica, porque seu corpo desviará a energia de lutar contra infecções e colocará em preocupações primárias.  

Quando o corpo pensa que está enfrentando um perigo imediato, você se torna mais suscetível a infecções e experimenta sintomas mais graves ao mesmo tempo que desenvolve níveis mais altos de inflamação.

O estresse provoca compostos imunes conhecidos como citocinas para contribuir com a resposta inflamatória que danifica as células saudáveis.

O exercício físico é um analgésico natural que pode ajudar a diminuir a inflamações, equilibrar os hormônios e fortalecer o sistema imunológico.

3- Probióticos

Opte por alimentos saudáveis, principalmente os probióticos que cuidam da saúde intestinal e aumentam a imunidade.

Entre eles estão: derivados de kefir, vinagre de maça, chocolate amargo (ao menos 70% cacau), kombucha, kimchi, ervilhas, entre outros alimentos.

Para cuidar da saúde da microbioma e de todo o organismo, é essencial mudar os hábitos alimentares.

E para ajudar você que se preocupa com uma alimentação saudável e cuidado com o corpo, eu convido a adquirir o e-book da minha esposa, Carol Pimentel.

O livro digital contém mais de 70 receitas deliciosas e low carb.

Desenvolvido para quem deseja ter uma alimentação extremamente saudável focada em eliminar o sobrepeso, evitar problemas de saúde e reverter os danos causados pela má alimentação passada.

Neste livro você vai aprender as melhores receitas de doces e salgados, sem medo de engordar.

Receitas simples e fáceis de preparar, e o melhor de tudo: Super acessíveis!

Clique na imagem abaixo e adquira agora o seu livro digital.

GOSTOSURAS LOW CARB

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : alimentosartritebactériascâncerDistúrbios cerebraisDNAdoença de Hashimotodoença inflamatória intestinaldoenças cardíacasDor nas articulaçõesdr. juliano pimentelfertilidadefortalecer a Imunidadeinflamaçãolongevidademicrobiomamicróbiosmicrobiotasaúde do microbiomasíndrome do intestino permeávelsistema digestivoTDAHtranstornos de humor

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta