close
Metabolismo

Pâncreas pode ser regenerado através do Jejum Intermitente!

Provavelmente você já ouviu falar sobre o jejum intermitente, principalmente, seus benefícios para o emagrecimento. No entanto, cada vez mais estudos estão sendo realizados para averiguar os benefícios dessa prática, e uma descoberta recente, é sobre o potencial do jejum intermitente em regenerar o pâncreas.  

Neste estudo, os pesquisadores descobriram que o jejum intermitente pode regenerar células do pâncreas que foram prejudicadas pelo diabetes. Os resultados mostram que a prática do jejum intermitente pode ser útil para curar o diabetes tipo 1 e tipo 2.

Antes de aprofundar nos benefícios dessa pesquisa, é preciso entender a relação entre o pâncreas e o diabetes.

Relação entre o pâncreas e diabetes

O pâncreas possui muitas funções em nosso organismo. Na verdade, ele participa de dois sistemas orgânicos diferentes, o sistema endócrino e o sistema exócrino. Neste artigo, vamos explorar mais sua função no sistema endócrino.

O pâncreas é o órgão responsável pela produção do hormônio insulina. E as células que produzem insulina são células beta. 

Relação entre pâncreas e Diabetes. Imagem: (Divulgação)

E a insulina é hormônio que ajuda a regular os níveis de açúcar no sangue, auxiliando o transporte de glicose do sangue para as células vizinhas.

No diabetes tipo 1, as células beta que produzem insulina são atacadas pelo sistema imunológico do corpo.

À medida que mais células beta são mortas, o pâncreas luta para produzir insulina suficiente para manter baixos os níveis de açúcar no sangue e os sintomas do diabetes começam a aparecer.

No diabetes tipo 2, o corpo cria resistência à insulina e é necessária mais insulina para reduzir os níveis de glicose no sangue. Como resultado, o pâncreas precisa produzir mais insulina do que normalmente seria necessário.

Se o pâncreas não puder mais produzir insulina suficiente para reduzir os níveis de açúcar, os sintomas do diabetes começarão a aparecer. O diabetes tipo 2 ocorre gradualmente e pode levar até anos para que os sintomas apareçam.

O desenvolvimento adicional de diabetes tipo 2 pode levar à perda de células beta produtoras de insulina no pâncreas, o que pode levar à necessidade de administração de insulina.

Voltando à pesquisa

No estudo,  os ratos foram colocados em uma forma modificada da “dieta de imitação de jejum”.

O teste foi feito durante 30 dias. Nos primeiros cinco dias, os animais receberam uma dieta de baixa caloria, poucas proteínas, pouco carboidrato, mas com muita gordura insaturada. Nos outros 25 dias eles comeram o que quiseram.

Como resultado dessa dieta, os pesquisadores observaram que a dieta regenerou um tipo especial de célula no pâncreas, chamada célula beta.

Ou seja, justamente as células que detectam açúcar no sangue e liberam o hormônio insulina se ficar muito alto.

Valter Longo, da Universidade do Sul da Califórnia, disse: “Nossa conclusão é que, empurrando os ratos para um estado extremo e trazendo-os de volta – passando fome e depois alimentando-os novamente – as células do pâncreas são acionadas para usar algum tipo de reprogramação do desenvolvimento que reconstrói a parte do órgão que não está mais funcionando “.

Enfim, houve benefício tanto para o diabetes tipo 1, quanto para o diabetes tipo 2.

Outros benefícios do Jejum Intermitente

E não é apenas na regeneração do pâncreas que o jejum intermitente é útil.

Diminui o ritmo do envelhecimento

Há evidencias que mostram o potencial do jejum intermitente na diminuição do processo de envelhecimento, Isso acontece porque o jejum pode aumentar a resistência do corpo ao estresse oxidativo

Além disso, estudos mostram que o jejum intermitente pode ajudar a combater a inflamação, outro fator importante de todos os tipos de doenças comuns.

Bom para o coração

O jejum intermitente melhora vários fatores de risco diferentes, incluindo pressão arterial, colesterol total e LDL, triglicerídeos sanguíneos, marcadores inflamatórios e níveis de açúcar no sangue.

Pode ajudar a prevenir o câncer

O jejum tem vários efeitos benéficos no metabolismo que podem levar à redução do risco de câncer. Há também  evidências em pacientes com câncer, mostrando que o jejum reduziu efeitos colaterais da quimioterapia.

Quem pode fazer o jejum?

Com tantos benefícios provavelmente já pensou em praticar o jejum, certo?

Acontece que, mesmo sendo tão benéfico, o jejum precisa de acompanhamento para ser realizado. Isso porque, quando colocado em prática sem super visão pode causar efeitos colaterais graves.

Pessoas idosas, crianças, gestantes e lactantes não devem fazer jejum. Além disso, pessoas com doenças crônicas e até mesmo que tem diabetes, precisa de acompanhamento para conseguir um resultado satisfatório com a prática do jejum

Isso porém, não significa que você não possa cuidar da sua saúde!

Preparei uma Jornada incrível de 01 a 08 de junho para ajudar você a ter uma saúde Plena e tornar-se inabalável. 

Clique na imagem acima e participe dessa jornada que ajudará você e toda sua família a terem mais saúde, disposição para com a vida!

Abraços e fique com Deus!!

Dr. Juliano Pimentel

🔴 Curta também as redes sociais! 📷Instagram / 👍Facebook / 🎥 YouTube

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : diabetesdr. juliano pimentelinsulinajejum intermitente

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta