close
AlimentaçãoArtigosFitness

Dieta da Proteína: Comer Proteína Emagrece Mesmo?

Dr Juliano Pimentel

Emagrecer da forma correta é quando você perde peso, consegue manter o peso ideal e não prejudica a sua saúde. Falando em emagrecimento, você já ouviu falar na dieta da proteína?

Para quem ainda não conhece, ela se baseia no consumo de alimentos que são boas fontes de proteína, como carnes e ovos, e na exclusão de alimentos ricos em carboidratos, como pão e macarrão. Ela se assemelha muito à dieta low carb.

A dieta da proteína te ajuda a emagrecer porque a ausência de carboidratos na alimentação faz o organismo queimar mais rapidamente as suas fontes de gordura. Além disso, ajuda na formação dos músculos, pele e cabelo.

Cortar o carboidrato da sua alimentação, principalmente o carboidrato refinado, é saudável. No entanto, algumas pessoas dizem sentir fraqueza e tonturas nos primeiros dias da dieta, mas esses sinais costumam passar após 3 ou 4 dias, tempo em que o organismo se habitua à falta de carboidratos (1).

Neste artigo, eu irei explicar como funciona a dieta da proteína.

Não deixe de ler e compartilhar.

Como funciona a Dieta da Proteína?

A ideia da dieta da proteína é bem simples: diminuir o consumo de carboidratos para o mínimo possível, substituindo-os por proteínas.

Sem carboidratos como fonte de energia, a glicose circulante no corpo diminui. Isso faz com que o organismo, que precisa dessa glicose como combustível das células, comece a gastar as reservas de gordura para produzir energia. Promovendo a perda de peso.

A dieta da proteína recomenda a duração no máximo 30 dias e deve ser dividido em duas quinzenas com espaço de 3 dias entre elas (2).

Lembrando: quem tem algum problema de saúde deve consultar seu médico antes de iniciar qualquer dieta para que o organismo não seja prejudicado (3).

Se alimente sempre que tiver fome e beba bastante água.

Alimentos permitidos na Dieta da Proteína

Os alimentos permitidos na dieta da proteína são os alimentos ricos em proteínas e alguns legumes, verduras e frutas pobres em carboidratos, como:

>> Carne magra, peixe, ovo;

>> kefir e os seus derivados;

>> Acelga, couve, espinafre, alface, rúcula, agrião, chicória, cenoura, repolho, tomate, pepino, rabanete;

>> Azeite;

>> Castanhas, nozes, amêndoas;

>> Abacate, limão, abacaxi e morango.

Alimentos proibidos na Dieta da Proteína

Os alimentos proibidos durante a dieta da proteína são as fontes de carboidratos, como:

>> Pão, macarrão, arroz, farinha, batata, batata doce;

>> Feijão, grão-de-bico, milho, ervilha, soja;

>> Açúcar, biscoitos, doces, bolos, refrigerantes, sucos;

>> Alimentos industrializados.

É importante não consumir esses alimentos durante a dieta da proteína para evitar mudanças no metabolismo que façam o corpo parar de utilizar a proteína e a gordura como fonte de energia.

Proteína Emagrece?

002d9433
A alta ingestão de proteína pode reduzir o apetite

A proteína é o nutriente mais importante para a perda de peso e um corpo mais bonito. A alta ingestão de proteína acelera o metabolismo, reduz o apetite e muda vários hormônios reguladores do peso.

Proteína pode ajudá-lo a perder peso e gordura da barriga, e ele funciona através de vários mecanismos diferentes. Ela muda os níveis de vários hormônios reguladores de peso (4).

Seu peso é regulado ativamente por seu cérebro, particularmente uma área chamada o hipotálamo. Para que seu cérebro determine quando e quanto comer, ele processa vários tipos diferentes de informação (5).

Alguns dos sinais mais importantes para o cérebro são hormônios que mudam em resposta à alimentação.

Uma maior ingestão de proteínas realmente aumenta os níveis de hormônios de saciedade (redução do apetite) GLP-1, peptídeo YY e colecistoquinina, ao mesmo tempo em que reduz seus níveis de hormônio da fome grelina (6).

Substituindo carboidratos por proteína, você reduz o hormônio da fome e impulsiona diversos hormônios da saciedade.

Isso leva a uma grande redução na fome, a principal razão pela qual a proteína ajuda a perder peso.

Depois de comer, algumas calorias são usadas com a finalidade de digerir e metabolizar o alimento. Isso é frequentemente chamado de efeito térmico do alimento. A proteína tem um efeito térmico muito maior (20-30%) em relação aos carboidratos (5-10%) e gordura (0-3%) (7).

Devido ao alto efeito térmico e vários outros fatores, uma alta ingestão de proteínas tende a acelerar o seu metabolismo.

Isso faz você queimar mais calorias durante o dia, incluindo durante o sono.

Uma alta ingestão de proteínas tem sido mostrado para aumentar o metabolismo e aumentar a quantidade de calorias queimadas em cerca de 80 a 100 por dia.

Ao fazer você queimar mais calorias, dietas ricas em proteínas têm uma “vantagem metabólica” sobre as dietas que são mais baixos em proteínas.

Em resumo, a proteína pode reduzir a fome e o apetite através de vários mecanismos diferentes (8). Isso pode levar a uma redução automática da ingestão de calorias.

Em outras palavras, você acaba comendo menos calorias sem ter que contar calorias ou controlar conscientemente as porções que come.

Numerosos estudos têm demonstrado que quando as pessoas aumentam a sua ingestão de proteínas, eles começam a comer menos calorias (9).

Assim, dietas de alta proteína não só têm uma vantagem metabólica – elas também têm uma “vantagem no apetite”, tornando-se muito mais fácil de cortar calorias em comparação com dietas de menor proteína.

Por esta razão, não é surpreendente ver que dietas ricas em proteínas levam à perda de peso, mesmo sem restringir intencionalmente calorias, porções ou gorduras (10).

Em um estudo feito com 19 indivíduos com sobrepeso, o aumento da ingestão de proteínas para 30% das calorias causou uma queda maciça na ingestão calórica:

Neste estudo, os participantes perderam uma média de 11 quilos durante um período de 12 semanas. Tenha em mente que eles só adicionaram proteína à sua dieta, eles não restringiram calorias.

Embora os resultados nem sempre são tão expressivos, a maioria dos estudos mostram que dietas ricas em proteínas levam a perda significativa de peso.

A maior ingestão de proteínas também está associada a menos gordura na barriga (gordura visceral), a gordura nociva que se acumula em torno dos órgãos e causa diversas doenças (11).

E melhor, não só proteína pode ajudá-lo a perder peso, ela também te ajuda a mantê-lo a longo prazo.

São muitos os benefícios de aumentar a ingestão de proteína e diminuir o consumo do carboidrato. Mas é importante procurar orientação médica antes de mudar completamente sua alimentação.

Outra dica é usar os chás termogênicos para emagrecer. Eu preparei um Guia GRATUITO com as melhores receitas de chás para secar a barriga, basta preencher o formulário abaixo para ter acesso.

Mas mesmo que você consuma de vez em quando alguns alimentos naturais, isso não é bastante para garantir a boa saúde e prevenir doenças. Se você costuma comer alimentos industrializados e processados, está à um passo ver a sua saúde minguar aos poucos.

Esse é o momento de transformar a sua saúde de forma efetiva! Eu trago a revolução da saúde, um projeto que pretende mudar a cara da alimentação e da saúde no Brasil! Você, os seus filhos e toda a família merecem uma transformação na saúde que realmente seja eficaz!

Eu desenvolvi um e-book para ajudar você a fazer essa transformação, com todas as informações que você precisa e um guia passo a passo para implementar.
Tenha acesso aos Bônus Exclusivos!!
Quer saber como conseguir? Então clique na imagem abaixo e adquira agora o meu livro digital:

VIVA MELHOR SEM GLÚTEN V 2.0

Ebook Viva Sem Glúten, Dr. Juliano Pimentel

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

BAIXE AGORA O MEU GUIA COM OS
10 MELHORES CHÁS PARA EMAGRECER!
O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : chás termogênicosdestaquedietadieta da proteínadietasdr. juliano pimentele-bookemagreceremagrecimentosaúde

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta