close
Metabolismo

Sistema Digestivo – O que você precisa saber?

A energia necessária para todos os processos e atividades que ocorrem em nossos corpos é derivada dos alimentos que ingerimos. O sistema digestivo nos permite utilizar alimentos como carne de um animal e as raízes de uma planta, por exemplo e utilizá-los como fonte de energia.

Seja a capacidade de coordenar a mastigação dos alimentos sem ferir a língua e os lábios ou a propulsão dos alimentos do estômago para o duodeno, liberando as enzimas apropriadas, nosso sistema digestivo nos permite gerenciar o processo sem muita reflexão e com frequência enquanto executa outras tarefas, por exemplo.

O processo de digestão é fascinante e complexo, que pega os alimentos que colocamos na boca e os transforma em energia e resíduos. Esse processo ocorre no trato gastrointestinal, uma estrutura tubular longa e conectada que começa com a boca e termina com o ânus.

O alimento é impulsionado para a frente dentro do sistema, alterado por enzimas e hormônios em partículas utilizáveis ​​e absorvido ao longo do caminho. Além disso, outros órgãos que suportam o processo digestivo são o fígado, vesícula biliar e pâncreas. O tempo que leva para que os alimentos viajem entrando na boca seja excretado como lixo é de 30 a 40 horas.

A função da boca no Sistema Digestivo

A boca é o ponto de entrada para os alimentos, mas o sistema digestivo geralmente se prepara antes que o primeiro pedaço de comida entre na nossa boca. A saliva é liberada pelas glândulas salivares em nossa cavidade oral quando sentimos o cheiro de comida.

Quando o alimento entra na boca, a mastigação quebra o alimento em partículas menores que podem ser mais facilmente atacadas pelas enzimas da saliva. Assim, nossos dentes podem executar uma função de corte e retificação para realizar essa tarefa.

Por fim, a língua ajuda a misturar os alimentos com a saliva e depois a língua e o céu da boca (palato mole) ajudam a mover os alimentos para a faringe e o esôfago .

A faringe e o esôfago no Sistema Digestivo

A faringe (garganta) é a área de transição da boca para o esôfago.

Da faringe existem dois caminhos que o bolo alimentar pode seguir:

1) o caminho errado, que passa pela traqueia até os pulmões.

2) o caminho correto para o esôfago e depois para o estômago.

Sendo assim, o ato de engolir é um processo complexo que fecha a traqueia (para proteger nossos pulmões) e move a comida para o esôfago. Esse processo é principalmente automático (reflexo), mas também está parcialmente sob nosso controle direto.

Uma vez que entra no esôfago, a comida é movida para o esôfago e entra no estômago. O esôfago é um tubo muscular que se contrai de maneira sincronizada (peristaltismo) para mover os alimentos em direção ao estômago.

Enquanto os músculos por trás do produto alimentar se contraem, os músculos à frente da comida relaxam, causando a propulsão direta da comida. O peristaltismo é o principal mecanismo pelo qual os alimentos se movem através do nosso sistema digestivo.

Quando a comida se aproxima do estômago, uma válvula muscular (o esfíncter inferior do esôfago) relaxa e deixa a comida passar para o estômago. Esse esfíncter tem a importante função de fechar o estômago para que nenhum alimento ou ácido gástrico volte a entrar no esôfago e, portanto, evitando azia ou regurgitação.

O estômago e intestino delgado

Das glândulas que revestem o estômago, secretam-se ácidos e enzimas que continuam o processo de decomposição dos alimentos. Além disso, os músculos do estômago misturam ainda mais a comida. No final deste processo, os alimentos que você colocou na boca foram transformados em um fluido cremoso e espesso chamado quimo.

Esse fluido espesso é então empurrado para o duodeno (a primeira parte do intestino delgado). Com a ajuda de enzimas do pâncreas e da bile do fígado, ocorre uma maior quebra dos alimentos no intestino delgado.

O intestino delgado tem três segmentos. O primeiro segmento é o duodeno, onde ocorre mais decomposição dos alimentos. As próximas duas partes do intestino delgado (jejuno e íleo) são as principais responsáveis ​​pela absorção de nutrientes dos alimentos processados ​​na corrente sanguínea através das paredes do intestino.

Após o intestino delgado, os resíduos restantes deixam o trato gastrointestinal superior (trato GI superior), que é composto de tudo acima do intestino grosso, e se move para o intestino grosso ou cólon (o início do trato GI inferior).

Cólon, reto e ânus

O papel do trato GI inferior é solidificar o produto residual (absorvendo água), armazenar o produto residual até que ele possa ser evacuado (indo ao banheiro) e ajudar no processo de evacuação.

O intestino grosso (cólon) tem quatro partes:

Dois pontos de ascensão, cólon transverso, cólon descendente e cólon sigmóide.

Todos juntos o cólon tem aproximadamente 7 pés de comprimento e se conecta ao reto.

Aqui, como na maioria das outras partes do sistema GI, o resíduo é movido por peristaltismo. Sendo assim, à medida que o produto residual passa pelo cólon, a água é absorvida e as fezes são formadas.

As fezes do cólon são armazenadas no reto. O esfíncter anal fornece o controle sobre a liberação ou retenção de fezes, quando as fezes chegam ao reto, um retorno ao cérebro conscientiza a pessoa da necessidade de um movimento intestinal. O controle voluntário sobre o esfíncter anal nos permite segurar o banco até irmos ao banheiro.

Três órgãos digestivos acessórios (pâncreas, fígado, vesícula biliar)

Três outros órgãos são fundamentais no processo digestivo.

  1. Pâncreas: Embora o pâncreas seja conhecido principalmente por sua função reguladora do açúcar no sangue com a produção de insulina (como parte do sistema endócrino – a insulina passa diretamente da glândula para a corrente sanguínea), é o principal produtor de enzimas digestivas como parte do sistema. Já o sistema exócrino (as enzimas produzidas pela glândula passam através de um ducto para os intestinos). Por fim, essas enzimas são liberadas no duodeno e ajudam na digestão de gorduras, proteínas e carboidratos.
  2. Fígado: O fígado produz bile para digestão e eliminação de gordura. Além disso, os nutrientes são armazenados no fígado e as toxinas e produtos químicos são filtrados pelo fígado.
  3. Vesícula biliar: A bile é armazenada e liberada da vesícula biliar. Quando alimentos gordurosos entram no duodeno, a vesícula biliar contrai e libera bile.

E para manter a saúde do seu corpo e potencializar as funções do seu organismo faça detox!

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : antioxidantesboa saúde digestivadr juliano pimnetelinflamaçãometabolismoobesidadepâncreasperda de pesoperder pesoreceitassaúdesaúde digestivasistema digestivo

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta