close
Alimentação

DHA: O que é e Por que Deve Fazer Parte da Sua Dieta

O DHA é importante para o seu organismo, e o seu bom funcionamento. Na realidade ele desempenha um papel essencial em seu cérebro e é absolutamente crucial durante a gravidez e infância.

O ácido docosahexaenóico ou DHA é um dos mais importantes ácidos graxos ômega-3.

E como a maioria das gorduras omega-3, ele está ligado a muitos benefícios à saúde.

Para você ter uma ideia, esse ácido faz parte de cada célula do seu corpo, desempenha um papel vital em seu cérebro e é absolutamente crucial durante a gravidez e infância.

Se o seu corpo não consegue produzi-lo em quantidades adequadas, você precisa inclui-lo em sua dieta.

Neste artigo, eu explico tudo o que você precisa saber sobre o DHA.

Não deixe de ler e compartilhar!

O Que é o DHA

O ácido docosahexaenóico (DHA) é um ácido gordo de cadeia longa omega-3, encontrado principalmente em frutos do mar, como peixes, mariscos, óleos de peixe e alguns tipos de algas.

Ele é um componente presente em cada célula do seu corpo e um componente estrutural vital da sua pele, olhos e cérebro (1, 2, 3).

Na verdade, o DHA se torna mais de 90% dos ácidos graxos ômega-3 em seu cérebro e até 25% de seu conteúdo de gordura total.

Tecnicamente, ele pode ser sintetizado a partir de um outro ácido gordo de origem vegetal omega-3, chamado ácido alfa-linolénico (ALA).

No entanto, este processo é muito ineficiente, e apenas 0,1-0,5% de ALA é convertido em DHA no seu corpo.

Além do mais, a conversão também depende de níveis adequados de outras vitaminas e minerais, bem como a quantidade de ácidos graxos ômega-6 em sua dieta.

Então, se seu corpo não consegue produzir DHA em quantidades significativas, você deve partir para dieta ou suplementos.

Como Funciona

O DHA é um ácido gordo insaturado com 6 ligações duplas. Em outras palavras, isto significa que ele é muito flexível.

Ele está localizado principalmente nas membranas das células, onde faz com que as membranas e lacunas entre as células fiquem mais fluidas.

Isto facilita, por exemplo, que as células nervosas enviem e recebam sinais elétricos, que é o seu modo de comunicação.

Sim! Níveis adequados de DHA tornam mais fácil, mais rápido e mais eficiente a comunicação das células nervosas (olha só a sua importância!).

Níveis baixos deste ácido em seu cérebro ou nos olhos pode retardar a sinalização entre as células, resultando em deficiência visual ou função cerebral alterada.

O DHA também possui várias outras funções no corpo. Por exemplo, ele combate a inflamação e reduz as triglicérides no sangue.

Principais Fontes Alimentares de DHA

Se você quer aumentar seus níveis de DHA, anote aí: ele é encontrado principalmente em frutos do mar, como peixes, crustáceos e algas.

Vários tipos de peixe e seus derivados são excelentes fontes de DHA, fornecendo até vários gramas por porção.

São eles:

– Cavalinha;

– Salmão;

– Arenque;

– Sardinhas;

– Caviar.

Alguns óleos de peixe, como óleo de fígado de bacalhau, fornecem 1 grama de DHA em uma colher de sopa (10-15 ml).

Mas tenha em mente que alguns óleos de peixe também podem ser ricos em vitamina A, que é prejudicial em grandes quantidades.

Outra fonte de DHA, mas em pequenas quantidades, são as carnes e produtos lácteos vindos de animais alimentados com capim.

No entanto, pode ser difícil obter DHA suficiente apenas com a dieta.

Se você não come regularmente os alimentos mencionados acima, tomar um suplemento pode ser uma boa ideia.

Benefícios do DHA

1-Efeitos Sobre o Cérebro

O DHA é o ômega-3 mais presente no cérebro e desempenha um papel crítico no desenvolvimento da sua função.

Colocando em números, os níveis cerebrais de outros ácidos graxos ômega-3, tais como EPA, são tipicamente 250-300 vezes mais baixos.

Assim, o ácido DHA é extremamente importante para o crescimento do tecido do cérebro, especialmente durante o seu desenvolvimento e na infância.

Encontramos o ácido docosahexaenóico principalmente na matéria cinzenta do cérebro, e os lóbulos frontais são particularmente dependentes dele durante o desenvolvimento.

Essas partes do cérebro são responsáveis pelo processamento de informação, memórias e emoções.

São importantes também para a atenção, planejamento e resolução de problemas, desenvolvimento social, emocional e comportamental.

Nos seres humanos, a deficiência de DHA no início da vida tem sido associado com dificuldades de aprendizagem, ADHD, agressividade e vários outros distúrbios.

Além disso, estudos ligaram níveis baixos na mãe a um risco aumentado de desenvolvimento neural e visual deficientes na criança.

Pesquisas mostraram que bebês de mães que consumiram 200 mg por dia a partir da 24ª semana de gestação até o parto tiveram melhoras na visão e resolução de problemas.

2-Benefícios para o Envelhecimento Cerebral

O envelhecimento do cérebro causa estresse oxidativo, metabolismo energético alterado e danos no DNA.

A estrutura do cérebro também muda, o que reduz o seu tamanho, peso e teor de gordura.

Curiosamente, muitas dessas alterações também são observados quando os níveis de DHA diminuem.

Isso inclui propriedades da membrana alterados, perda de memória, atividade da enzima alterada e a função dos neurônios alterados.

3-Encefalopatias

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência nos idosos.

Ela afeta cerca de 4,4% dos adultos com mais de 65 anos e causa impactos na função do cérebro, humor e comportamento.

Alterações na memória episódica estão entre os primeiros sinais de mudanças cerebrais em adultos mais velhos.

Isso significa ter dificuldade em recordar acontecimentos que ocorreram em um tempo e lugar específicos.

Curiosamente, os pacientes com doença de Alzheimer têm menores quantidades de DHA no cérebro e no fígado, enquanto os níveis de EPA e DPA são elevados.

Estudos mostram que níveis de DHA superiores no sangue estão ligados a um risco reduzido de desenvolvimento de demência e doença de Alzheimer.

4-Efeitos nos Olhos e Visão

O DHA é um componente da membrana muito importante no olho.

Ele ajuda a ativar uma proteína chamada rodopsina, que recebe imagens de seus olhos, alterando a permeabilidade da membrana, fluidez, espessura e outras propriedades dentro do olho.

Uma deficiência de DHA pode causar problemas de visão, especialmente em crianças.

Portanto, alimentos infantis são, geralmente, enriquecidos com DHA, o que ajuda a prevenir a deficiência de visão em bebês.

5-Efeitos sobre a Saúde do Coração

Os ácidos graxos ômega-3 são associados a um risco reduzido de doença cardíaca.

Por outro lado, níveis baixos estão associados com um risco aumentado da doença.

Isso se aplica especialmente para os ácidos graxos ômega-3 de cadeia longa encontrados em óleos de peixes gordos e peixes, tais como EPA e DHA.

Outros Benefícios do DHA

– Triglicérides no sangue: os ácidos graxos de cadeia longa ômega-3 podem reduzir triglicérides no sangue em até 30%.

– Pressão arterial: Os ácidos graxos ômega-3 podem reduzir a pressão arterial em pessoas com pressão arterial elevada.

– Níveis de colesterol: Os óleos de peixe e ômega-3 podem reduzir o colesterol total e aumentar o HDL em pessoas com níveis elevados de colesterol.

– Função endotelial: pode proteger contra a disfunção endotelial, que pode causar doenças de coração.

Outros Benefícios

O DHA também pode te proteger contra outras doenças:

– Artrite: reduz a inflamação no corpo e pode aliviar a dor e a inflamação nas articulações das pessoas com artrite.

– Câncer: dificulta a sobrevivência de células cancerígenas.

– Asma: pode reduzir os sintomas da asma, bloqueando a secreção de muco e reduzindo a pressão arterial.

A Importância da Gestação á Infância

Ele é essencial durante os últimos meses de gravidez e no início da vida de um bebê.

Bebês até os dois anos de idade têm mais necessidade do ácido graxo do que as crianças mais velhas e adultos.

Isso porque o cérebro cresce rapidamente e para isso, precisam de grandes quantidades de DHA para formar estruturas de membrana de células vitais no cérebro e olhos.

Os estudos em animais mostram que as dietas deficientes em DHA durante a gravidez, lactação e desmame limitam o fornecimento da substância para o cérebro do bebê em cerca de 20% dos níveis normais.

A deficiência está associada a alterações na função cerebral, incluindo dificuldades de aprendizagem, alterações na expressão genética e deficiência visual.

Quanto DHA o Seu Corpo Precisa

A quantidade ideal depende de cada organismo, por isso, é importante se consultar com seu médico

Suplementos de DHA são geralmente seguros. No entanto, ingerir mais de 2 gramas por dia não tem nenhum benefício adicional e não é recomendado.

Curiosamente, a curcumina – o composto ativo em cúrcuma – pode melhorar a absorção de dele no corpo.

Ela está relacionada com muitos benefícios para a saúde, e estudos em animais mostraram que pode aumentar os níveis de DHA no cérebro.

Portanto, a curcumina pode ser tão útil quanto a suplementação com DHA.

Considerações e Efeitos Prejudiciais

A suplementação de DHA são geralmente bem toleradas pelo organismo.

No entanto, o ômega-3 funciona como anti-inflamatório e pode diluir o sangue.

Consequentemente, muito ômega-3 pode causar o afinamento do sangue ou sangramento excessivo.

Se você planeja passar por cirurgia, deve parar a suplementação de ômega-3 com uma ou duas semanas de antecedência.

Também fale com o seu médico antes de tomar ômega-3 se você tem distúrbio de coagulação do sangue ou toma medicamentos para diluir o sangue.

Espero que tenha ficado claro que ele é parte vital de cada célula do seu corpo, especialmente as células do cérebro e dos olhos.

É também uma parte essencial do desenvolvimento e função do cérebro.

Por isso, se você suspeitar que não está ingerido o suficiente em sua dieta, procure orientação médica.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : ácido docosahexaenóicoácidos graxos ômega-3cérebroDHAdr. juliano pimentelgravidezinfânciaômega-3sardinha

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta