close
ArtigosDores

Epilepsia: Causas, Sintomas e Tratamentos

A epilepsia é um distúrbio do sistema nervoso central (neurológico) no qual a atividade cerebral se torna anormal, causando convulsões ou períodos de comportamento incomum, sensações e, às vezes, perda de consciência.

Qualquer um pode desenvolver esse distúrbio, afeta homens e mulheres de todas as etnias e idades.

É uma condição em que uma pessoa tem crises recorrentes.

Uma convulsão é definida como uma descarga anormal e desordenada das células nervosas do cérebro, resultando em uma perturbação temporária da função motora, sensorial ou mental (1,2,3).

Existem muitos tipos de convulsões, dependendo principalmente de qual parte do cérebro está envolvida (4).

Saiba quais são as causas, sintomas e os tratamentos mais adequados para a epilepsia.

Não deixe de ler e compartilhar!

Epilepsia

O termo epilepsia não diz nada sobre o tipo de convulsão ou causa, apenas que as elas acontecem repetidas vezes (5,6).

Uma definição mais rigorosa do termo exige que as crises não tenham causa subjacente conhecida. Isso também pode ser chamado de epilepsia primária ou idiopática.

  • Episódios de atividade elétrica anormal dentro do cérebro resultam em convulsões.
  • A área específica do cérebro afetada pela atividade elétrica anormal pode resultar em um tipo particular de convulsão.
  • Se todas as áreas do cérebro forem afetadas pela atividade elétrica anormal, poderá ocorrer uma crise generalizada. Isso significa que a consciência está perdida ou prejudicada. Muitas vezes, todos os braços e pernas da pessoa se enrijecem e depois se agitam ritmicamente.
  • Um tipo de crise pode evoluir para outro durante o curso da convulsão. Por exemplo, ela pode começar como uma convulsão parcial ou focal, envolvendo a face ou o braço. Então a atividade muscular se espalha para outras áreas do corpo. Desta forma, a apreensão torna-se generalizada.
  • Convulsões causadas por febres altas em crianças não são consideradas epilepsia. Veja também as convulsões das crianças.

Sintomas

Convulsões são o principal sintoma da epilepsia. Os sintomas diferem de pessoa para pessoa e de acordo com o tipo de convulsão.

Convulsões focais (parciais)

Uma crise parcial simples não envolve perda de consciência. Os sintomas incluem:

  • alterações no paladar, olfato, visão, audição ou tato
  • tontura
  • formigamento e contração dos membros

Crises parciais complexas envolvem perda de consciência. Outros sintomas incluem:

  • olhar fixo
  • falta de resposta
  • movimentos repetitivos

Convulsões generalizadas

As convulsões generalizadas envolvem todo o cérebro e existem seis tipos.

Crises de ausência, que costumavam ser chamadas de “convulsões do pequeno mal”, causam um olhar vazio.

Este tipo de convulsão também pode causar movimentos repetitivos, como batendo ou piscando. Geralmente também há uma pequena perda de consciência.

Convulsões tônicas causam rigidez muscular.

Convulsões atônicas levam à perda de controle muscular e podem fazer você cair de repente.

Convulsões clônicas são caracterizadas por movimentos musculares repetidos e espasmódicos da face, pescoço e braços.

Convulsões mioclônicas causam espasmos rápidos espontâneos dos braços e pernas.

Convulsões tônico-clônicas costumavam ser chamadas de “grandes convulsões mal”. Os sintomas incluem:

  • enrijecimento do corpo
  • sacudindo
  • perda de controle da bexiga ou intestino
  • mordendo a língua
  • perda de consciência

Após uma convulsão, você pode não se lembrar de ter um, ou pode se sentir um pouco doente por algumas horas.

Causas

A epilepsia não tem causa identificável em cerca de metade das pessoas com a doença. Na outra metade, a condição pode ser atribuída a vários fatores, incluindo:

  • Influência genética. Alguns tipos de epilepsia, que são categorizados pelo tipo de convulsão que você sente ou pela parte do cérebro afetada, ocorrem nas famílias. Nestes casos, é provável que haja uma influência genética.

Pesquisadores associaram alguns tipos de epilepsia à genes específicos, mas, para a maioria das pessoas, os genes são apenas parte da causa da epilepsia.

Certos genes podem tornar uma pessoa mais sensível às condições ambientais que desencadeiam convulsões.

  • Trauma na cabeça. O traumatismo craniano decorrente de um acidente de carro ou outra lesão traumática pode causar epilepsia.
  • Condições cerebrais. Condições cerebrais que causam danos ao cérebro, como tumores cerebrais ou derrames cerebrais, podem causar epilepsia. Acidente vascular cerebral é uma das principais causas de epilepsia em adultos com idade superior a 35 anos.
  • Doenças infecciosas. Doenças infecciosas, como meningite, AIDS e encefalite viral, podem causar epilepsia.
  • Lesão pré-natal. Antes do nascimento, os bebês são sensíveis a danos cerebrais que podem ser causados ​​por vários fatores, como uma infecção na mãe, má nutrição ou deficiências de oxigênio. Esse dano cerebral pode resultar em epilepsia ou paralisia cerebral.
  • Transtornos do desenvolvimento. Ela pode estar associada a distúrbios do desenvolvimento, como autismo e neurofibromatose.

Tratamento

A maioria das pessoas consegue controlar o distúrbio. Seu plano de tratamento será baseado na gravidade dos sintomas, sua saúde e como você reage à terapia.

Algumas opções de tratamento incluem:

  • Anti-epilépticos (anticonvulsivantes, anticonvulsivantes). Estes medicamentos podem reduzir o número de convulsões que você tem.

Em algumas pessoas, elas eliminam as convulsões. Para ser eficaz, o medicamento deve ser tomado exatamente como prescrito.

  • Estimulador do nervo vago. Este dispositivo é cirurgicamente colocado sob a pele do tórax e estimula eletricamente o nervo que atravessa o pescoço. Isso pode ajudar a evitar convulsões.
  • Dieta cetogênica. Mais da metade das pessoas que não respondem à medicação se beneficiam dessa dieta rica em gorduras e pouco carboidrato (7).

A dieta cetogênica é frequentemente recomendada para indivíduos com epilepsia, pois é pobre em carboidratos e rica em gorduras.

A dieta requer um equilíbrio rigoroso entre gorduras, carboidratos e proteínas.

A dieta cetogênica funciona melhor para alguns tipos de epilepsia. Mas quando seguido corretamente, muitas vezes é bem-sucedido na redução da frequência de convulsões.

  • Cirurgia cerebral. a área do cérebro que causa a atividade convulsiva pode ser removida ou alterada.

A estimulação cerebral profunda é um procedimento no qual os eletrodos são implantados em seu cérebro.  

Um gerador é implantado em seu peito e envia impulsos elétricos ao cérebro para ajudar a diminuir as convulsões.

Outro caminho de pesquisa envolve um dispositivo parecido com marca-passo. Verificaria o padrão de atividade cerebral e enviaria uma carga elétrica ou uma droga para impedir uma convulsão.

O tratamento pode controlar as convulsões para a maioria das pessoas com epilepsia.

Algumas pessoas precisam de tratamento vitalício para controlar as convulsões, mas para outras, as convulsões acabam desaparecendo.

Algumas crianças com epilepsia podem superar a condição com a idade.

E se o seu objetivo é manter uma alimentação saudável, com baixo carboidrato e que ajude você a manter a reeducação alimentar e viver melhor; eu tenho uma super novidade!

Eu convido você a adquirir o e-book da minha esposa, Carol Pimentel.

O livro digital contém mais de 70 receitas deliciosas e low carb, desenvolvido para quem deseja ter uma alimentação extremamente saudável focada em eliminar o sobrepeso, evitar problemas de saúde e reverter os danos causados pela má alimentação passada.

Neste livro você vai aprender as melhores receitas de doces e salgados, sem medo de engordar.

Receitas simples e fáceis de preparar, e o melhor de tudo: Super acessíveis!

Clique na imagem abaixo e adquira agora o seu livro digital.

GOSTOSURAS LOW CARB

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:

Você pode Gostar

Tags : AIDsAnti-epilépticosconvulsõesconvulsões atônicasConvulsões focaisConvulsões generalizadasconvulsões mioclônicasconvulsões tônicasconvulsões tônico-clônicasCrises de ausênciadieta cetogênicadoenças infecciosasdr. juliano pimentelepilepsianeurofibromatoseperda de consciênciasintoma da epilepsiaTonturatraumatismo craniano

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta