https://casinoonlineca.ca/internet-casinos/best-payout/
close
Artigos

Hipertensão e intestino: A influência das bactérias intestinais na sua pressão arterial

A pressão arterial elevada é um fator de risco para doenças cardiovasculares e afeta cerca de 30% da população brasileira. Cada vez mais se estreita a relação entre hipertensão e intestino. 

Embora existam certos fatores de risco para hipertensão como tabagismo, obesidade e consumo excessivo de álcool, a hipertensão e intestino também estão relacionados. 

Mais que 19% dos adultos norte-americanos com hipertensão têm uma forma resistente ao tratamento da doença, em que os medicamentos não reduzem a pressão arterial a um nível saudável (1). 

Além disso, as intervenções no estilo de vida não funcionam para todos. Esse contexto fortalece a vertente que considera a disfunção do sistema imunológico e do sistema nervoso autônomo. Este é o ramo do sistema nervoso que controla as funções “automáticas”, como respiração, digestão e pressão arterial.

Uma adição relativamente nova a esta lista de potenciais fatores de risco é a disbiose intestinal, que se refere a uma comunidade microbiana desequilibrada.

Relação hipertensão e intestino

Hipertensão e intestino: A influência das bactérias intestinais na sua pressão arterial | Juliano Pimentel
Hipertensão e intestino: A influência das bactérias intestinais na sua pressão arterial

Um estudo na revista Microbioma analisou as bactérias intestinais de 41 pessoas com níveis ideais de pressão arterial, 99 indivíduos com hipertensão e 56 pessoas com pré-hipertensão (2).

A pré-hipertensão refere-se à pressão alta que ainda não é alta o suficiente para uma pessoa receber um diagnóstico de hipertensão. Porém, pessoas nesta faixa têm um risco aumentado de desenvolver hipertensão no futuro.

Eles descobriram que nos participantes com pré-hipertensão ou hipertensão, houve uma redução na diversidade de bactérias intestinais. Em particular, espécies como Prevotella e Klebsiella, por exemplo, tendiam a crescer demais.

Em seguida, os cientistas transplantaram matéria fecal dos participantes em camundongos livres de germes, que são animais que não possuem bactérias intestinais. Os camundongos que receberam matéria fecal de pessoas com hipertensão também desenvolveram hipertensão.

Outro estudo investigou as bactérias residentes de gestantes com obesidade e gestantes com sobrepeso, ambas com risco aumentado de hipertensão. Eles descobriram que em ambos os grupos de participantes, as bactérias do gênero Odoribacter eram significativamente mais raras.

Aqueles com os níveis mais baixos de Odoribacter, por exemplo, tiveram as leituras de pressão arterial mais altas.

Como as bactérias intestinais afetam a pressão arterial?

Embora haja evidências sobre a hipertensão e intestino, a maioria dos estudos até o momento foi observacional.

Isso significa que não foi possível determinar se as alterações nas bactérias intestinais influenciam a pressão arterial ou se a hipertensão (ou os fatores que a produzem) alteram as bactérias intestinais.

Além disso, ainda não está claro exatamente como as bactérias intestinais conduzem essas mudanças.

Embora o intestino e a pressão arterial possam não parecer companheiros óbvios, a conexão não é, talvez, tão surpreendente.

Muitos dos fatores que aumentam o risco de hipertensão – como o consumo de álcool e alimentos salgados – entram no corpo através do sistema digestivo.

Ou seja, nutrientes, juntamente com certos produtos químicos que as bactérias produzem, têm a oportunidade de entrar no suprimento sanguíneo. 

Além disso, o trato gastrointestinal hospeda vários processos que têm o potencial de desempenhar um papel na hipertensão, incluindo metabolismo, produção de hormônios e uma conexão direta com o sistema nervoso.

Ácidos graxos, hipertensão e intestino

Uma das ligações entre a hipertensão e intestino são os ácidos graxos de cadeia curta (SCFAs). Algumas bactérias intestinais produzem essas moléculas à medida que digerem a fibra alimentar.

Depois que as bactérias produziram SCFAs, o suprimento de sangue do hospedeiro os absorve. Sendo assim, SCFAs afetam uma série de processos fisiológicos, um dos quais parece ser a pressão arterial.

Estudos mostraram que a hipertensão está associada ao aumento da atividade do nervo simpático (um ramo do sistema nervoso autônomo). Isso aumenta a permeabilidade intestinal.

Além disso, as paredes do intestino se tornarem mais permeáveis, é mais fácil para o conteúdo do intestino vazar para o resto do corpo.

Essa mudança na permeabilidade afeta o ambiente intestinal e altera o microbioma. Ao mesmo tempo, os produtos bacterianos podem passar mais facilmente para o sangue.

Outros fatores, incluindo fumar tabaco e estar estressado, também alteram o sistema simpático. Isso pode ajudar a fornecer mais razões pelas quais esses fatores também podem levar a alterações cardiovasculares.

Todos esses estudos nos mostram uma coisa: É preciso manter a saúde intestinal em dia. Para isso, é necessário eliminar o consumo do que inflama o intestino e aumentar o consumo do que faz bem para o intestino como os probióticos, por exemplo.

O primeiro passo para isso é fazer um detox. Em março vou te mostrar em 4 aulas gratuitas como limpar as toxinas do seu organismo para conquistar um corpo naturalmente magro, uma saúde forte e muita disposição o dia todo. Clique aqui para garantir sua vaga! 

Abraços e fique com Deus,

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : hipertensãointestinopressão altapressão arterial

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta