close
Dores

Pneumonia: Causas, Sintomas e Tratamentos

Dr Juliano Pimentel

Pneumonia é a maior causa infecciosa de morte em crianças, matando mais de 2.500 crianças por dia em todo o mundo. É também culpada por até 7% de todas as mortes em adultos (1).

De acordo com a American Lung Association, acredite ou não, existem mais de 30 causas diferentes de pneumonia (2).

Felizmente, nem todos os casos são muito graves ou ameaçam a vida, especialmente aqueles considerados “pneumonia ambulante”, um tipo mais suave que raramente requer intervenção séria ou hospitalização para lidar com os sintomas.

Nesse artigo apresentarei as causas, sintomas e tratamentos da pneumonia.  

Não deixe de ler e compartilhar.

Causas da Pneumonia

Pneumonia Afeta Principalmente As Crianças. Imagem: (Divulgação)

Ela é causada por uma variedade de agentes infecciosos e se desenvolve quando os pulmões se enchem de pus e muco, tornando difícil respirar, obter oxigênio suficiente e controlar a tosse.

As partes dos pulmões que são mais afetados por infecções de pneumonia são chamados os alvéolos, que são sacos pequenos que normalmente se enchem de ar/oxigênio e permitem que alguém respire adequadamente (2).

Enquanto as pessoas de todas as idades e níveis de saúde podem desenvolver a doença por muitas razões diferentes, os pesquisadores acreditam que existem cinco principais agentes infecciosos que são as principais causas de pneumonia:

– Certos tipos de bactérias nocivas, que levam à infecção dos pulmões. Estes incluem mais comumente Streptococcus pneumoniae ou informalmente Pneumococo (especialmente em crianças com pneumonia) e Haemophilus influenzae tipo b.

Já Pneumocystis jiroveci é outro tipo de bactéria que está associada à morte devido a pneumonia em crianças com vírus, como o HIV.

– Certos tipos de vírus. Esse tipo de pneumonia é frequentemente chamado de vírus respiratório sincicial.

– Mycoplasma, que contribui para a pneumonia ambulante mais frequentemente.

– Infecção devida a outros organismos, incluindo fungos.

– A exposição a certos produtos químicos tóxicos (tais como fumos, produtos de tabaco ou cigarros) que enfraquecem o sistema imunológico.

Algumas das maneiras como esses agentes são passados ​​incluem:

– Inalá-los. Os organismos podem ser espalhados através de gotas no ar.

– Estar perto de alguém que está infectado e tossir ou espirrar.

– Estar exposto ao sangue de alguém com pneumonia.

– Gravidez e parto. Se a mãe está infectada, a criança pode ser infectada depois de ser exposta ao seu sangue.

Fatores de risco

Entre os principais fatores de risco da pneumonia estão:

Fumo: provoca reação inflamatória;
Ingestão de Álcool: interfere no sistema imunológico e na capacidade de defesa do aparelho respiratório;
Ar-condicionado: deixa o ar seco, facilitando a infecção por vírus e bactérias;
Resfriados mal cuidados;
Mudanças bruscas de temperatura.

Sintomas da Pneumonia

A gravidade dos sintomas de pneumonia que alguém experimenta depende de fatores como o tipo específico de pneumonia que a pessoa tem (bacteriana X viral), histórico médico, idade e força do sistema imunológico.

Se você tiver pneumonia viral, infelizmente você também está em risco de contrair pneumonia bacteriana também – piorando os sintomas de pneumonia e complicações.

Os sinais e sintomas mais comuns de pneumonia são (3):

– Tosse persistente, que pode ser dolorosa;

Tosse de muco – às vezes, o muco pode conter pequenas quantidades de sangue ou aparecer verde e / ou amarelo;

– Dificuldade para respirar e falta de ar – chiado é mais comum quando a pneumonia é viral;

Dores no peito, especialmente quando se movimenta e respira mais intensamente;

Febre – geralmente as febres são leves, mas em algumas pessoas tornam-se elevadas;

– Calafrios, dores de cabeça, dores de estômago, confusão/desorientação, agitação ou transpiração;

– Fadiga e, por vezes, dores musculares;

– Náusea, dor de estômago ou perda de apetite;

– Às vezes, batimentos cardíacos rápidos, respiração rápida, alterações na cor da pele e delírio, especialmente quando experimentando uma febre alta;

– Em bebês infectados, algumas vezes podem ocorrer complicações graves, incluindo incapacidade para beber, inconsciência, hipotermia e convulsões.

Cada pessoa reage à doenças e infecções de forma diferente, mas geralmente começam a mostrar sintomas dentro de cerca de três a sete dias da infecção em desenvolvimento.

Alguns apresentam os sintomas em apenas um dia, enquanto outros podem ser contagiosos, mas não mostram sintomas por até 10 dias.

A maioria luta contra os sintomas por cerca de duas a três semanas antes de se sentir totalmente melhor, embora uma recuperação mais rápida e complicações que duram mais são ambos também possível (4).

Tratamentos para Pneumonia

O primeiro passo para ajudar a reduzir as probabilidades de desenvolver pneumonia, é eliminar quaisquer fatores de risco voluntários que aumentam suas chances de pegar infecções bacterianas ou vírus em primeiro lugar.

Evite a alimentação pobre em nutrientes e o tabagismo.

Outras táticas de tratamento, incluem:

  1. Melhorar a função imunológica

Limitar a sua exposição a outras pessoas com a infecção, e ao mesmo tempo impulsionar a força imunológica, é a melhor maneira de controlar a transmissão da pneumonia e é fundamental para a prevenção e tratamento.

Os passos que você pode tomar para reduzir imediatamente o risco de infecções ou vírus incluem:

– Melhorar a sua dieta e saúde intestinal: evite alimentos inflamatórios ou alergênicos como grãos processados, glúten, produtos lácteos convencionais, alimentos açucarados, alimentos processados ​​com ingredientes sintéticos e bebidas adocicadas com sabores artificiais.

Probióticos: probióticos ajudam a preencher o trato GI com bactérias saudáveis. Alimentos probióticos incluem iogurte e kefir.

– Dormir o suficiente: média de sete horas por noite.

– Exercício: os benefícios do exercício incluem melhorar a função imunológica, ajudando a prevenir infecções e diminuir a inflamação.

– Gerir o estresse: o stress pode aumentar a inflamação, enfraquecer o sistema imunológico e fazer com que os sintomas infecciosos durem mais tempo.

  1. Controle a tosse naturalmente

– Consuma alimentos para tratar naturalmente a tosse ou chiado, incluindo sopas de vegetais caseiros, caldo de osso e chá verde.

– Respire no ar úmido e quente, tanto quanto possível, evitando temperaturas muito frias.

– Evite exercícios extenuantes que podem tornar a falta de ar ou dor no peito pior.

– Limpe a sua casa regularmente para remover irritantes  e tente usar um umidificador.

  1. Práticas de boa higiene

– Limpe a poeira, o pelo do animal de estimação e outros alérgicos comuns (especialmente se alguém na família sofre de sintomas de asma).

– Evite que a pneumonia se espalhe, lavando as mãos regularmente com sabão.

– Não fume, principalmente dentro de casa.

– A inalação de gases e o contato com detritos de construção também devem ser evitados no trabalho.

– Reduzir o uso de produtos domésticos feitos com produtos químicos fortes.

– Alterações de temperatura muito drásticas, umidade, altas temperaturas ou frio extremo podem tornar os sintomas de pneumonia piores, então tente evitar essas situações.

Para tratar a pneumonia, pratique esses bons hábitos de higiene, consuma alimentos ricos em nutrientes e procure orientação médica.

A Pneumonia afeta principalmente as crianças, por isso é bom que fique sempre de olho na saúde dos pequenos, em sua alimentação, hábitos e exercícios, pois estando com a saúde em dia é mais difícil de ser afetado por doenças infecciosas e qualquer outro tipo.

Veja também o vídeo:

Alergias Respiratórias

 

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:

Você pode Gostar

Tags : bacteriana X viralbactérias nocivasdestaqueDores no peitodr. juliano pimentelestresseFebrefunção imunológicafungosgravidezHaemophilus influenzae tipo bhipotermiaHIVPneumococoPneumocystis jirovecipneumoniaprobióticosprodutos químicos tóxicossaúdesaúde intestinalsintomas de pneumoniaStreptococcus pneumoniaetabacoTosse de mucovírusvírus respiratório sincicialVIVA MELHOR SEM GLÚTEN V 2.0

The author Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta