https://casinoonlineca.ca/internet-casinos/best-payout/
close
Artigos

Gorduras que fazem bem x Gorduras que fazem mal

Temos o péssimo hábito de penalizar determinados alimentos sem nem saber o real motivo. As gorduras são um exemplo clássico de grupo alimentar que é visto com maus olhos.

Porém, poucos têm a clareza do quanto as gorduras saudáveis são essenciais para o funcionamento do nosso corpo.

Por isso resolvi trazer aqui as gorduras que fazem mal e especialmente as que beneficiam a sua saúde.   

Gorduras que devemos consumir 

Gorduras saudáveis | Juliano Pimentel
Gorduras saudáveis.

Quando dezenas de milhares de profissionais embasavam decisões clínicas em fisiologia e hábitos saudáveis eram tidos como excêntricos. 

A alimentação do paleolítico era constituída do que ele tinha no dia, ou seja, da sua caça e daquilo que conseguia coletar no caminho, como algumas folhas e frutos que eram muito fibrosos, sendo assim, de difícil consumo.

Na revolução neolítica os nossos ancestrais começaram a reduzir de estatura.

Porém, nossa genética não mudou tanto com o tempo. 

O que mais mudou foi a oferta de alimentos e produtos alimentícios. Pensa comigo: os nossos ancestrais não tinham a quantidade de trigo disponível que temos hoje e nem encontravam frutas sazonais para comprar no supermercado durante todo o ano, por exemplo. 

Então, embasados em todas as fontes históricas e científicas, devemos questionar a dieta pobre em gorduras, razão pela qual defendo ante cada paciente, o consumo de gorduras de fonte animal e vegetal.

Gorduras de origem animal

A gordura de origem animal deve ser escolhida de fonte orgânica sempre que possível, uma vez que a gordura, em qualquer animal, serve como depósito de toxinas e outras substâncias. 

As melhores gorduras de origem animal provêm da manteiga, do pescado, do porco, do gado e dos frutos do mar. Dentre outras boas gorduras, de fonte vegetal, posso citar principalmente o óleo de coco, azeite de oliva, linhaça e abacate.

Não sei se você reparou que coloquei o peixe e primeiro lugar. O peixe de águas frias e profundas é rico em ômega 3, não adianta aquele salmão de criadouros, que você come no restaurante japonês. O ômega 3 é responsável pela flexibilidade da membrana plasmática. 

A membrana plasmática está presente em toda célula do corpo. Atualmente nossa

dieta é rica em ômega 6, que tem na gordura animal sua principal fonte, e esse óleo deve estar contrabalanceado com os ômegas 3 e 9, este último, muito presente no azeite.

De uma maneira geral, vale dizer que o uso do ômega 3 é primordial para a saúde e deve ser suplementado para toda e qualquer pessoa que a deseje, pois, sozinho, consegue reduzir a pressão arterial de indivíduos com hipertensão leve, bem como provoca a alteração da estrutura da membrana das células sanguíneas, tornando o sangue mais fluido e diminuindo o risco de trombose.

O ômega 9 está presente no azeite de oliva, azeitona, oleaginosas (castanhas, amêndoas e nozes) e abacate. Além disso, ele possui alguns fitoesterois, que melhoram o metabolismo do colesterol, atuam na diminuição da circunferência abdominal, além de ser antiinflamatório, rico em antioxidantes, protegendo o coração, prevenindo contra cânceres e ajudando no envelhecimento saudável das células.

Gorduras que não devemos consumir

Dessas, a margarina ocupa o primeiro lugar no pódio! É ela a principal representante na mesa da maioria dos brasileiros. Por pura desinformação! Isso porque os óleos e gorduras parcialmente hidrogenados não existem na natureza. Ou seja são produtos da indústria alimentícia que oferecem versões modificadas dos óleos e gorduras naturais.

Nem todas as gorduras fazem bem. Os óleos vegetais poliinsaturados, por exemplo, são um enorme problema de saúde. 

Desde a criação desses óleos, o número de infartos e obesidade aumentou nos dados dos Estados Unidos, sendo potencializado brutalmente com a mudança oferecida pela pirâmide alimentar na década de 70. 

Os famosos óleos no supermercado sofrem um processo de hidrogenação para facilitar seu transporte e impedir o gosto de ranço, gordura velha… Aumentando assim sua durabilidade e facilidade no transporte.

Gordura trans

Você já ouviu falar da famosa gordura trans, mas saiba que ela é invenção do homem. Pois é, na natureza a gordura e óleos existem na forma cis. Mas a gordura trans criada pela indústria aumenta o tempo de prateleira dos produtos, ou seja, a validade deles.

As gorduras trans, quando entram em contato com nossas células, são incorporadas nas membranas celulares, alteram as vias metabólicas das gorduras normais e desorganizam seu metabolismo. Elas ainda provocam um aumento na ação das prostaglandinas pró-inflamatórias, ou seja, substâncias que aumentam processos dolorosos, intensificam estados inflamatórios, como cólicas menstruais, dores nas juntas, nas costas, dores de cabeça e enxaquecas. Sendo assim, de maneira geral, fuja dos industrializado.

Buscar uma alimentação equilibrada com escolhas acertadas é sempre a melhor opção

E como eu disse, a alimentação natural e saudável pode ajudar muito você. E para auxiliar na sua reeducação alimentar, eu trago uma novidade.

Eu convido você a adquirir o e-book da minha esposa, Carol Pimentel.

O livro digital contém mais de 70 receitas deliciosas e low carb, desenvolvido para quem deseja ter uma alimentação extremamente saudável focada em eliminar o sobrepeso, bem como, evitar problemas de saúde e reverter os danos causados pela má alimentação passada.

Neste livro você vai aprender as melhores receitas de doces e salgados, sem medo de engordar.

Receitas simples e fáceis de preparar, e o melhor de tudo: Super acessíveis!

Clique na imagem abaixo e adquira agora o seu livro digital.

Gostosuras Low Carb | Carol Pimentel
Adquira o livro digital Gostosuras Low Carb.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : gordurasgorduras saudáveis

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta