close

Parece contra intuitivo parar de consumir trigo, afinal, o trigo é uma planta e a farinha serve como base para os mais diversos alimentos.

Mas, parar de consumir trigo da maneira adequada pode significar a melhora da sua saúde e mais longevidade.

As principais proteínas do trigo são: Albumina, Globulina, Gliadina e Glutenina, foram identificadas a primeira vez  em 1907 (1,2).

A gliadina e a glutenina representam cerca de 80% das proteínas totais na farinha e estão presentes em quantidades aproximadamente iguais (3, 4). Elas também compreendem as principais proteínas do glúten de trigo e são responsáveis pelas propriedades funcionais da farinha de trigo.

Enquanto as proteínas monoméricas do glúten (gliadina) apresentam comportamento viscoso, as proteínas poliméricas do glúten (glutenina) são elásticas. 

Graças a essas composições o glúten é a proteína responsável por dar à farinha de trigo essa versatilidade que ela tem para fazer diferentes tipos de massas.

O grande problema, porém, é que o glúten, presente no trigo, cevada e centeio contêm variedades de proteínas que não são decompostas por enzimas digestivas. 

Normalmente os efeitos da não absorção do glúten é percebida em pessoas com doença celíaca autoimune (DC), alergia ao trigo e sensibilidade ao glúten não celíaca. Mas, como as proteínas não são digeridas, evitar o consumo do glúten pode ser útil para toda a população.

Por que parar de comer trigo?

O trigo apresenta algumas vitaminas e minerais. Dentre eles o Selênio, que tem várias funções essenciais em seu corpo (5, 6).

O Manganês, o fósforo que é um mineral dietético que desempenha um papel essencial na manutenção e crescimento dos tecidos corporais.

O cobre, necessário para manter a saúde do coração (7) e o Folato, uma das vitaminas B. O folato também é conhecido como ácido fólico ou vitamina B9, é particularmente importante durante a gravidez (8).

No entanto, é preciso estar atento a dois pontos em relação a essas vitaminas e minerais. 

1 – A quantidade desses nutrientes é baixa, apenas o consumo de trigo não é suficiente para suprir o que seu organismo precisa.

2 – Como esse trigo é consumido? Normalmente, por meio de bolos, salgados, pães, enfim, alimentos feitos com farinha de trigo e gordura hidrogenada, ou seja, a quantidade de nutrientes é extremamente baixa.

Os alimentos que tem farinha de trigo como base são carboidratos. Quando chegam ao intestino, parte desses nutrientes passam para a corrente sanguínea como glicose. E as proteínas não processadas pelas enzimas podem ficar grudadas na parte do intestino, causando inflamações, ou simplesmente seguem o fluxo intestinal.

Quando você come um pedaço de bolo, por exemplo, é interessante pensar o que ele representa para seu organismo. O bolo causa um “trabalho” para o estômago, fígado, pâncreas, intestino, enfim, para o organismo inteiro, e pouquíssimo será aproveitado para a saúde do corpo.

Por isso, parar de consumir glúten é indicado até mesmo para pessoas que não tem problemas intestinais.

Como fica a alimentação?

O mais importante desse processo de evitar o consumo de glúten é saber o que comer. É importante basear a alimentação sem glúten em fontes saudáveis de carboidrato, vitaminas, proteína e minerais.  

  1. Castanhas do Pará, de caju, semente de girassol por exemplo, são ricas em Selênio. Além disso, alimentos como atum, ovo, espinafre, carne de porco e carne de frango também podem suprir as necessidades de Selênio em seu organismo.
  2. As principais fontes de manganês são nozes, amêndoas, vegetais com folhas verdes, frutas, como abacaxi, açaí e cacau. 
  3. Já o fósforo você encontra em alimentos como frutos do mar como lula e polvo, fígado de galinha, sementes de girassol e de abóbora, nozes e quinoa.
  4. A vitamina B9 está em alimentos como espinafre, aspargos, brócolis, abacate, alface, manga e laranja, por exemplo.

É claro que, comer 3 castanhas de caju não é o melhor substituto do pão com presunto que você comia no café da manhã. No entanto, olhe para esses alimentos de verdade e pense em combinações que te faz saciado.

Ao invés de pão, faça a base do seu lanche com ovo e farinha de amêndoas, por exemplo. 

Mais importante do que parar de consumir trigo é consumir alimentos importantes que vão suprir suas necessidades. Assim, você evita inflamação, excesso de peso, desenvolvimento de diabetes, gordura no fígado, problemas intestinais e tem um organismo mais saudável.

Confira esse artigo com opções de farinha sem glúten.

Nesse vídeo conto como você pode substituir o glúten de maneira prática.

Abraços e fique com Deus!

Dr. Juliano Pimentel.

🔴 Curta também as redes sociais! 📷Instagram / 👍Facebook / 🎥 YouTube

 

O Que Achou do Artigo? Deixe Sua Opinião Abaixo:
Tags : carboidratodr. juliano pimentelFarinha sem Glútenglútentrigo

Autor Dr. Juliano Pimentel

Olá, eu sou o doutor Juliano Pimentel. Médico, fisioterapeuta e coach que ajuda as pessoas com conteúdos sobre saúde, alimentação e emagrecimento. Também sou celíaco e tenho uma vida de pesquisa sobre o Glúten.

Enviar Resposta